Busque abaixo o que você precisa!

Servidores rejeitam Reajuste de 7,2% e Decretam Greve

Servidores da Secretaria de Educação do Município de Canindé rejeitaram na manhã desta quarta-feira (2), em assembleia realizada na sede do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Canindé SINDSEC, proposta do governo municipal de reajuste salarial de 7,2%.

Além da rejeição da proposta feita pela administração municipal, os trabalhadores decidiram decretar greve. PORTAL CANINDÉ NOTICIAS

Retomadas obras da Praça Thomaz Barbosa


 
A Praça Thomaz Barbosa, principal corredor religioso com acesso ao maior Santuário Franciscano das Américas, tem suas obras retomadas pelo Governo Municipal de Canindé. Os investimentos serão da ordem de R$ 568.750,00 e a obra terá prazo de entrega para o dia 30 de maio. A Empresa MF Engenharia, do empresário Onete Fontenele, é a responsável pelos serviços do projeto.
A praça foi concluída em 1957 e inaugurada em 1958, pelo então prefeito “Dr. Aramis Paiva”, que governou a cidade de 25 de março de 1959 a 24 de março de 1963, a nova Praça Thomaz Barbosa está prestes a se tornar o mais belo “cartão postal” público de Canindé.

Leia mais...

Vá embora, Dilma! Saia logo daí! - REINALDO AZEVEDO

Quantas vezes vocês já leram aqui a minha sugestão, quase um apelo, para que Dilma Rousseff renuncie ao mandato? Mas a mulher é teimosa, e tinhosa é a organização à qual ela pertence: o PT. A presidente vai tentar resistir, embora já saiba, porque doida de tudo não é, que não há mais nada a fazer. O ânimo que o juiz Sérgio Moro resolveu dar ao PT, ainda que involuntariamente, com a desnecessária condução coercitiva de Lula, não será o bastante para reerguer o petismo. Mas a máquina decadente continuará pendurada no Estado brasileiro, e Dilma, enquanto durar, terá de submeter a ela. Tivesse me ouvido no começo do ano passado, teria se desligado do PT, enviado uma emenda parlamentarista ao Congresso já para 2018, e haveria uma chance de alcançar a terceira margem do rio.

Leia mais...

Dilma desafia a Justiça e as instituições e vai a Lula

A presidente Dilma Rousseff chegou por volta das 13h30  sábado ao prédio onde mora Luiz Inácio Lula da Silva, em São Bernardo do Campo (SP), para encontro com o ex-presidente. Em frente ao prédio, militantes faziam uma vigília. Dilma, Lula e a ex-primeira-dama Marisa Letícia apareceram na varanda e acenaram para os manifestantes. O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, também integrou a comitiva da presidente que esteve no apartamento de Lula. Na pauta do encontro, mais que uma mera solidariedade ao ex-presidente, estão as estratégias do governo e do PT para reagir às denúncias da delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) e à condução coercitiva de Lula para depor na Polícia Federal. Antes da chegada de Dilma, Lula desceu de surpresa e cumprimentou os manifestantes. O ex-presidente abraçou alguns militantes e tirou fotos. Um carro de som foi levado até o local para Lula discursar. No entanto, o ex-presidente disse que não faria discurso, pois o prédio onde mora fica ao lado de um hospital. Os apoiadores se aglomeraram ao redor do ex-presidente, enquanto ele caminhava, para abraçá-lo e tirar fotos com câmeras e celulares e gritavam palavras de ordem a favor de Lula.

Leia mais...

Dilma defende Lula num encontro com governadores e sofre uma contestação

Dilma Rousseff foi submetida a uma saia justa ao dizer, num encontro com governadores, que ficara “indignada” com o tratamento “desrespeitoso” dispensado a Lula por Sérgio Moro, juiz da Lava Jato. Um dos visitantes, Pedro Taques (PSDB), governador de Mato Grosso, retrucou a anfitriã: “Entendo que não houve desrespeito, presidente. Ninguém está acima da lei.”

Os governadores voaram até Brasília para discutir, na noite da última sexta-feira, o alongamento das dívidas dos seus Estados com a União. Horas antes, agentes da Polícia Federal haviam executado uma ordem de “condução coercitiva” de Lula, para prestar depoimento sobre a suspeita de receber vantagens de empresas pilhadas roubando a Petrobras.

Dilma enxergou na coerção ordenada por Moro um “abuso de autoridade”, pois “bastava convidar” Lula, que “não se negaria a prestar os esclarecimentos”. Ao contraditá-la, Taques chamou Dilma de “presidente”, não de presidenta, como ela prefere. Brindou-a, de resto, com um cerimonioso “vossa excelência”. Ex-procurador da República, ele sapecou:

“Eu não sairia desta sala com a consciência tranquila e não respeitaria o bom povo de Mato Grosso, que me mandou aqui, se não expressasse minha opinião. Entendo que não houve abuso ou perseguição. Ninguém está acima da lei. Todos, inclusive eu, podemos ser investigados. A lei não pode servir para beneficiar amigos nem para prejudicar inimigos.”

Leia mais...

Ação nacional contra microcefalia é urgente

O aumento do número de casos de microcefalia põe o país diante de um desafio urgente para o qual o SUS — sinônimo de baixa eficiência — não está preparado: dar atendimento adequado às vítimas. A redução do tamanho do cérebro traz transtorno imenso às crianças e suas famílias, e, portanto, exige intervenção severa e constante, a fim de estimulá-las e garantir-lhes o mínimo de qualidade de vida.

Tanto as estimativas do que será preciso quanto iniciativas isoladas já em andamento mostram que o cuidado com os microcéfalos envolve equipes multiprofissionais e outros recursos com que o SUS não conta na escala necessária.

Leia mais...

Incêndio em refinaria da Petrobrás em Pasadena

Três pessoas ficaram feridas incêndio na refinaria em Pasadena, no Texas

HOUSTON - Um incêndio de grandes proporções atingiu neste sábado a refinaria da Petrobrás  em Pasadena, no Texas, deixando três pessoas feridas, uma delas em estado grave, informaram autoridades e uma fonte com conhecimento das operações de emergência no local.De acordo com o departamento de polícia de Pasadena, o incêndio foi provocado por uma explosão em um gerador da refinaria, que tem capacidade para processar 100 mil barris por dia (bpd).

Leia mais...

Estados recorrem a ‘impostaço’ para tentar recompor as finanças

mapa politico brasil

 

Com o agravamento da crise fiscal, a União, os Estados e alguns municípios lançaram mão de uma receita já conhecida para tentar recompor as finanças: o aumento de impostos. Desde o início do ano, 19 Estados e mais o Distrito Federal elevaram alíquotas em algum tipo de tributo. No âmbito federal, ao menos cinco produtos tiveram aumento na alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), além de mudanças no Imposto de Renda para remessas ao exterior e no PIS/Cofins. O sucesso das medidas, no entanto, está ameaçado diante de uma atividade já enfraquecida.

Leia mais...

Montadoras produzem menos da metade da capacidade, diz Anfavea

fabrica fiat betim2

Em meio à crise, a indústria automotiva brasileira produziu menos da metade de sua capacidade neste 1º bimestre, segundo a associação das montadoras, a Anfavea. "Em janeiro e fevereiro, operamos em ociosidade de 64%", disse o presidente da entidade, Luiz Moan, na última sexta-feira (4), ao apresentar o balanço mensal. "A sustentabilidade do setor está bastante prejudicada", completou.

Leia mais...

A crise chega à escola

Um dado da Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen) ilustra a gravidade dos efeitos da atual crise econômica brasileira – de 2014 para 2016, a rede privada de ensino perdeu 12% dos seus mais de 9 milhões de alunos. Estima-se que a retração econômica provocou a transferência de cerca de 1 milhão de alunos da escola particular para a escola pública. Segundo levantamento da Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, as redes públicas de ensino em São Paulo – a estadual e as municipais – receberam 200 mil alunos provenientes de escolas particulares em 2015.

Leia mais...

Compartilhar Conteúdo