Busque abaixo o que você precisa!

Temer, sobre pedido de impeachment feito por Cid Gomes: "Espetáculo deprimente"

O vice-presidente da República, Michel Temer - 16/11/2015
O vice-presidente da República, Michel Temer - 16/11/2015(Evaristo Sá/AFP)

O vice-presidente Michel Temer respondeu por meio de nota ao pedido de impeachment protocolado contra ele na Câmara dos Deputados pelo ex-governador do Ceará Cid Gomes. Segundo Temer, o pedido é baseado em "notícias velhas sem sustentação, citações equivocadas e interpretações de pessoas mal-informadas".

Leia mais...

DEM aciona Ministério Público contra atos de Dilma no Palácio Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/brasil/dem-aciona-ministerio-publico-contra-atos-de-dilma-no-palacio-18997754#ixzz44f2Sdw5X © 1996 - 2016. Todos direitos reservados a

Dilma Rousseff durante encontro com artistas e intelectuais no Palácio do Planalto - Givaldo Barbosa / Agência O Globo

BRASÍLIA - O líder do DEM na Câmara, deputado Pauderney Avelino (AM) decidiu acionar o Ministério Público no Distrito Federal (MPDF) questionando a atitude da presidente Dilma Rousseff de usar as instalações do Palácio do Planalto para o que classifica como "atos de campanha e comícios políticos". Pauderney quer que o MPDF investigue Dilma por improbidade administrativa.

Leia mais...

Para analistas, governo não mira meta fiscal e pode estar descumprindo LRF

Os dois cortes de gastos efetuados pelo governo federal no orçamento de 2016, totalizando 44,65 bilhões, não são suficientes para atingir a meta fiscal em vigor, avaliam economistas ouvidos peloG1Na avaliação deles, ao não buscar a meta fixada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) – de um superávit primário de R$ 24 bilhões para suas contas neste ano – o governo pode estar descumprindo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Para tentar de fato atingir a meta vigente, segundo os analistas, o governo deveria efetuar bloqueios mais expressivos de despesas na peça orçamentária ou aumentar tributos.

Leia mais...

Documentos do SNI mostram corrupção da Odebrecht na década de 1980

O líder sindical Luiz Inácio Lula da Silva, identificado como LILS, rodava o país em campanha. O ano era 1989 – mais de duas décadas antes da Lava Jato e da criação da empresa de palestras do ex-presidente que está sob investigação. O informe 010894 do Serviço Nacional de Informações, o SNI, detalha a viagem de Lula em outubro daquele ano pela Bahia. Ele sobe ao palanque para discursar e condena a obra da Barragem Pedra do Cavalo, no Estado: “Não serve para nada e foi construída para que as empreiteiras Odebrecht e Camargo Corrêa mamassem US$ 650 milhões”, disse Lula. Na obra de Pedra do Cavalo, a Odebrecht foi acusada de apresentar proposta exatamente igual àquela fornecida no edital do governo e de ser a “favorita” do então governador baiano, Roberto Santos, do PMDB.

Leia mais...

Manifestantes fazem atos contra o impeachment pelo Brasil

POR 

Manifestação em Brasília a favor do governo da Presidente Dilma Rousseff - André Coelho / Agência O Globo

BRASÍLIA, RIO E SÃO PAULO — Manifestantes elegeram o PMDB e o vice-presidente, Michel Temer, como alvos durante protestos contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira. Os atos foram promovidos em todos os estados e no Distrito Federal. Também houve protestos no exterior. Grupos contrários ao afastamento da presidente se reuniram em Lisboa e Berlim.

Leia mais...

Por apoio, Dilma telefona a Edir Macedo e Planalto busca ponte com católicos

Igreja e Estado Em busca de votos contra o impeachment, o Planalto passou a recorrer até a denominações religiosas com influência na Câmara. Na semana passada, Dilma Rousseff telefonou a Edir Macedo, líder da Igreja Universal, pedindo ajuda com a bancada do PRB, que rompera com o governo. O bispo não embarcou na ideia, mas prometeu “orar por ela e pelo país”. Nesta quinta, Gilberto Carvalho foi acionado para interceder junto a parlamentares ligados à Igreja Católica.

Leia mais...

31 de Março de 2016 — Por que Dilma é ainda mais irresponsável do que Jango

A presidente Dilma Rousseff recebeu sedizentes artistas e intelectuais nesta quinta, que foram lá se manifestar contra o impeachment. E voltou a se comportar com extrema irresponsabilidade e a dizer sandices, especialmente quando se referiu ao golpe militar de 1964, desfechado no dia 31 de março, há 52 anos!!! Na verdade, aconteceu no dia 1º de abril, mas nem entro nisso agora.

Leia mais...

Os 7 crimes de Dilma

Na terça-feira 22, a presidente Dilma Rousseff proferiu o seu mais inflamado discurso desde o início da crise política. O pronunciamento apoiou-se no pretenso argumento de que até agora ela não cometeu crime algum e que, por isso, estaria sendo vítima de um golpe contra a democracia. “Não cometi nenhum crime previsto na Constituição e nas leis para justificar a interrupção do meu mandato. Neste caso, não cabem meias palavras: o que está em curso é um golpe contra a democracia”, afirmou Dilma. 

1Crimes.jpg

A retórica repetida como ladainha em procissão é típica de mandatários em apuros, quando não há muito mais o que fazer senão aguardar o fim que se avizinha. Em seus últimos dias como presidente, em 1992, Fernando Collor recorreu ao mesmo expediente. “Custe o que custar, eu serei o primeiro a estar na defesa e no embate da nossa Constituição. As manobras interessam aos que formam o sindicato do golpe”, disse Collor em agosto daquele ano. Ironicamente, quem estava do outro lado da trincheira, defendendo a legitimidade das ações para apear Collor do poder, era o PT.  

Leia mais...

Os 7 crimes de Dilma - ISTOÉ I

Na terça-feira 22, a presidente Dilma Rousseff proferiu o seu mais inflamado discurso desde o início da crise política. O pronunciamento apoiou-se no pretenso argumento de que até agora ela não cometeu crime algum e que, por isso, estaria sendo vítima de um golpe contra a democracia. “Não cometi nenhum crime previsto na Constituição e nas leis para justificar a interrupção do meu mandato. Neste caso, não cabem meias palavras: o que está em curso é um golpe contra a democracia”, afirmou Dilma. 

1Crimes.jpg

A retórica repetida como ladainha em procissão é típica de mandatários em apuros, quando não há muito mais o que fazer senão aguardar o fim que se avizinha. Em seus últimos dias como presidente, em 1992, Fernando Collor recorreu ao mesmo expediente. “Custe o que custar, eu serei o primeiro a estar na defesa e no embate da nossa Constituição. As manobras interessam aos que formam o sindicato do golpe”, disse Collor em agosto daquele ano. Ironicamente, quem estava do outro lado da trincheira, defendendo a legitimidade das ações para apear Collor do poder, era o PT.  

Leia mais...

Sindicatos e militantes petistas fazem protestos contra impeachment em 25 Estados e no DF

  •  Voltar ao iníci

Movimentos sociais e sindicatos ligados ao Partido dos Trabalhadores realizam na tarde desta quinta-feira protestos em defesa da presidente Dilma Rousseff e contra o processo de impeachment em pelo menos 25 Estados e no Distrito Federal. A presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era aguardada na manifestação em Brasília. Este 31 de março marca os 52 anos do golpe militar de 1964.

Leia mais...

Compartilhar Conteúdo