Busque abaixo o que você precisa!

Em novo uso ilegal do Palácio do Planalto, Dilma tenta privatizar as mulheres

Responda, leitor, leitora, uma pergunta que hei de fazer de maneira bem crua, sem rodeios, sem subterfúgios: o quadrado da hipotenusa deixará de ser igual à soma do quadrado dos catetos a depender do que vocês tenham entre as pernas? Há alguma chance de duas vezes dois deixarem de ser quatro a depender, digamos, do uso que você dê a esse aparelho localizado entre os fêmures? Tendo a achar que não. Como também tendo a considerar que a cor da pele, por exemplo, não muda a composição da água, do sal ou do enxofre. Ou ainda a fórmula de Bhaskara.

Leia mais...

Esbórnia agrária - FOLHA DE SP

LOTES DO INCRA É OFICINA

 

O Estado brasileiro modernizou-se de modo considerável nas últimas décadas e produz hoje miríades de estatísticas que servem ao controle, interno ou público, de sua eficiência. Ou deveriam servir. Quase diariamente surgem notícias sobre desvios e falcatruas, mas poucos se debruçam sobre elas, menos ainda para tomar providências. O mais recente exemplo brotou na burocracia da reforma agrária, reprovada em auditoria do Tribunal de Contas da União.

Leia mais...

Descaso com dinheiro público - O ESTADO DE SP

Foto de Uniformes escolares - Quatro Estações.
Foto de Uniformes escolares - Quatro Estações.

O caso dos uniformes escolares destinados à rede pública municipal, que começaram a ser armazenados no governo do ex-prefeito Gilberto Kassab e assim permaneceram no de Fernando Haddad, mostrado em reportagem do Estado, é mais um escandaloso exemplo do desprezo com que administradores públicos tratam o dinheiro do contribuinte. Além da falta que esse material faz a alunos de famílias carentes, a sua guarda ainda custa uma fortuna para a Prefeitura. O prejuízo é duplo.

Leia mais...

A índole do lobo - O ESTADO DE SP

Os petistas trataram de espalhar por aí o mito segundo o qual a presidente Dilma Rousseff, caso seja vitoriosa na batalha do impeachment, será estimulada pelo PT a permitir que seu chefão, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, lidere um “amplo processo de reconciliação nacional”, conforme o noticiário publicado pelo Estado.

Leia mais...

Poupança tem saque recorde de R$ 24 bi no primeiro trimestre

Dinheiro - Nota Real
O resultado do mês passado não foi ainda pior por conta da entrada de 4,229 bilhões de reais no último dia útil(Istockphoto/Divulgação)

No primeiro trimestre, os saques da caderneta de poupança somaram 24,05 bilhões de reais, sendo saldo negativo de 21,441 bilhões de reais via Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e de 2,609 bilhões de reais da poupança rural. O volume de saques foi o mais elevado para o período em 21 anos, informou o Banco Central nesta quarta-feira.

Leia mais...

Tela com Tiradentes volta a ser moldura de calvário do governo Dilma

Tela com Tiradentes volta a ser moldura de calvário do governo Dilma

  Renato Costa - 17.mar.2016/Folhapress  
Os deputados Rosso (PSD-DF) e Jovair (PTB-GO) diante do quadro 'Tiradentes ante o Carrasco
Os deputados Rosso (PSD-DF) e Jovair (PTB-GO) diante do quadro 'Tiradentes ante o Carrasco'

De autoria de Rafael Falco (1885-1967), a tela "Tiradentes ante o Carrasco", querida por fotógrafos que buscam simbolismos em sessões na Câmara dos Deputados, voltou a ser moldura nas reuniões da comissão de impeachment. O quadro é de 1951, mas passou a fazer parte da história em 1959, quando a Casa o recebeu como doação –o Rio ainda era a capital do país. A tela foi exposta inicialmente na Comissão de Constituição e Justiça da então sede do Legislativo brasileiro, o Palácio Tiradentes (que hoje abriga a Assembleia Legislativa do Rio).

Leia mais...

Encolhimento do BNDES afetou mais as menores

Entre 2014 e 2015 houve expressiva diminuição das concessões de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de R$ 181,7 bilhões para R$ 134,3 bilhões, mas o balanço da instituição, divulgado há alguns dias, mostra outros fatos relevantes. É o caso da redução tanto do volume de empréstimos para as micro, pequenas e médias empresas quanto do número de operações. Não há sinais de que as restrições estejam prestes a mudar, embora o banco tenha encerrado o ano com vultosos recursos em caixa.

Leia mais...

Voto de cabresto

A presidente Dilma Rousseff conseguiu se superar. Não bastasse ter feito a economia retroceder 25 anos e trabalhar com afinco para que o recuo da atividade produtiva se equipare ao da época da Grande Depressão, nos anos 30, ela agora faz de tudo para que também a política regrida aos tempos dos “coronéis”.

Leia mais...

O fiasco do PAC e do País

Um dos maiores fiascos da economia mundial desde o início da última crise, em 2008, foi o desempenho do Brasil, com baixo crescimento, inflação elevada e recessão a partir de 2014. A história poderia ter sido bem diferente, se o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado com muita fanfarra pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2007, tivesse produzido, na prática, metade dos benefícios prometidos pelo governo. Mas o PAC foi um fracasso, como indicaram os balanços periódicos, e isso foi mais uma vez confirmado por um levantamento da Inter.B Consultoria, coordenado pelos economistas Cláudio Frischtak e Julia Noronha.

Leia mais...

Gestores alegam insatisfação e entregam cargos em hospitais

A direção do Hospital de Messejana revelou que com o novo modelo de gestão centralizada, as unidades têm sentido dificuldades em efetivar o suprimento de materiais e medicamentos e a remuneração de profissionais

Os quatro diretores do Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e a diretora-geral do Hospital de Messejana entregaram os cargos na tarde de ontem alegando descontentamento com a política de centralização da gestão financeira e administrativa das unidades pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesa). De acordo com os gestores, a transferência de funções para o órgão, iniciada no mandato do secretário Henrique Javi - que assumiu o cargo após a renúncia do então titular da Pasta, Carlile Lavor, em maio do ano passado -, teria ocorrido sem a isenção de responsabilidade das direções, prejudicando o gerenciamento dos centros e, em consequência, o abastecimento de insumos e medicamentos, assim como o pagamento de funcionários.

No HGF, renunciaram o diretor-geral, Romero Esmeraldo; a diretora administrativa, Maria de Lourdes da Mota Lima; a diretora técnica, Eliene Romero; e o diretor médico, Sérgio Pessoa. Já no Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes, a diretora-geral, Filadélfia Passos Rodrigues, anunciou que deixaria o cargo.

A reportagem do Diário do Nordeste entrou em contato com parte da diretoria do HGF, mas os gestores preferiram não se pronunciar sobre o assunto. Um dos gestores não atendeu às ligações da equipe até o fechamento desta edição.

Engessada

Segundo Filadélfia Passos, a centralização das gestões pela Sesa, por meio da Superintendência de Apoio às Redes de Unidades (SRU), fez com que a administração dos hospitais ficasse "engessada". Ela destaca que, com o novo modelo, as unidades têm sentido dificuldades em efetivar o suprimento de materiais e medicamentos e a remuneração de profissionais. "Quando houve a mudança, ficamos com esse problema, porque agora não somos nós que fazemos isso, tudo está centralizado na Sesa. O abastecimento de insumos não está fluindo e está ocorrendo uma dificuldade no fluxo de pagamentos. Não somos contra a gestão, mas é preciso que as coisas continuem fluindo", acrescentou.

Leia mais...

Compartilhar Conteúdo