Busque abaixo o que você precisa!

Governo vai redistribuir pastas do PMDB e relação de Dilma e Temer está 'interditada', diz Wagner

BRASÍLIA - O ministro-chefe do Gabinete da Presidência da República, Jaques Wagner, afirmou nesta terça-feira, 29, que a saída do PMDB abre caminho para uma “repactuação” com os demais partidos da base aliada. Ele admitiu, porém, que a relação entre a presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer ficou “politicamente interditada” após a decisão.  “A decisão do PMDB chega em uma boa hora, porque oferece à presidente Dilma a chance de repactuar o seu governo, ou seja, de começar um novo governo”, disse o ministro.

Leia mais...

Adeus, PT! “Nós” sempre fomos bons, com todos os nossos defeitos.

O PT, Lula muito particularmente, dividiu o mundo em dois grupos: aqueles a que chamava “nós” — que são os petistas — e “eles”, que era o restante dos brasileiros, os que não estavam afinados com as teses do partido. Ora, meus caros, desde sempre, o grupo dos não petistas era uma esmagadora maioria, certo? Desde sempre, houve mais não petistas do que petistas no Brasil. Mas, durante um largo período, sempre pareceu o contrário. A minoria se impunha na base do berro, da formação de verdadeiras milícias — físicas, mesmo, ou nas redes sociais — e do assédio moral.

Leia mais...

PT criticava no julgamento de Collor o fisiologismo, ressuscitado sob Dilma

Incorporado à base congressual dos governos petistas desde a gestão Lula, Fernando Collor foi alvo de ataques implacáveis do PT durante a tramitação do processo de impeachment que o arrancou do Planalto em 1992. As críticas eram mais ácidas quando se referiam à principal arma de resistência de Collor: o fisiologismo. Decorridos quase 24 anos, Dilma lança mão da mesma artilharia para tentar salvar o seu mandato. A diferença é que, agora, o PT já não acha o fisiologismo tão execrável.

Leia mais...

Após desembarque, Temer deseja ser ‘discreto’

Consumado o rompimento do PMDB com o governo, o vice-presidente Michel Temer deseja guiar o seu comportamento nas próxima semanas pela máxima segundo a qual as grandes articulações políticas são mudas. Festejado na convenção nacional do seu partido com gritos de “Temer presidente”, o substituto constitucional de Dilma Rousseff planeja ser tão discreto quanto o outro lado da lua.

Leia mais...

Em três minutos, PMDB anuncia desembarque do governo por aclamação

Diretório Nacional do PMDB decide por aclamação romper com o governo da presidente Dilma Rousseff - Givaldo Barbosa / Agência O Globo

BRASÍLIA — Em clima de festa e aos gritos de "Fora, PT" e "Temer presidente", o PMDB aprovou por aclamação em três minutos a moção de rompimento com o governo Dilma Rousseff. O clima da reunião do partido nesta terça-feira foi de euforia entre os defensores do desembarque.

Leia mais...

O governo Dilma se desintegra - ÉPOCA

A lenta, gradual e segura saída do PMDB do governo moribundo de Dilma Rousseff será finalmente formalizada nesta terça-feira (29). Os chefes do partido seguiram o plano definido logo após os protestos de 13 de março, quando milhões de brasileiros foram às ruas pedir o impeachment de Dilma. A distensão entre PT e PMDB transcorria desde o começo do segundo mandato da presidente, acelerou-se com o agravamento da crise econômica e tornou-se inevitável após acarta do vice-presidente Michel Temer a Dilma. As expressivas manifestações de março permitiram aos chefes do PMDB justificar um desejo político como obrigação cívica.

Leia mais...

Planalto usa projeto que beneficia igrejas para agradar bancada evangélica

Presidente Dilma Rousseff participa de Encontro com Juristas pela Legalidade e em Defesa da Democracia no Palácio do Planalto (Foto: JOSE CRUZ AGENCIA BRASIL)

Não foi à toa que o governo apoiou a aprovação, no Senado, de um projeto que isenta o IPTU de igrejas em casos de imóveis alugados. Foi uma jogada para reconquistar a bancada evangélica. Dilma pediu a senadores que apoiassem a proposta. A fatura virá na votação do impeachment. ÉPOCA

Comissão de Ética abre processo contra Mercadante e Cardozo

Aloizio Mercadante e José Eduardo Cardozo
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o Advogado-Geral da União, José Eduardo Cardozo(Evaristo Sa/AFP - Adriano Machado/Reuters)

A Comissão de Ética Pública da Presidência determinou nesta segunda-feira a abertura de dois processos para investigar a conduta dos ministros Aloizio Mercadante, da pasta de Educação, e José Eduardo Cardozo, Advogado-Geral da União. O processo contra Mercadante foi aberto a pedido da bancada do PSDB no Senado, após o ministro ser citado na delação premiada do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS). Conforme o site de VEJA revelou há duas semanas, Mercadante ofereceu ao senador ajudas financeira e política, além de influência no Judiciário, em troca de seu silêncio. José Eduardo Marzagão, um assessor do senador, gravou as conversas com o ministro.

Leia mais...

Temer se encontra com Lula e diz que rompimento é definitivo Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/brasil/temer-se-encontra-com-lula-diz-que-rompimento-definitivo-18969480#ixzz44HbHdm9i © 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infogl

LULA E O JATINHO

 

BRASÍLIA - O vice-presidente Michel Temer encontrou-se no início da noite de domingo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Paulo. Segundo relatos de peemedebistas, Temer traçou um panorama da situação interna do PMDB, cujo clima para a reunião do diretório nacional é pelo rompimento, e disse ao ex-presidente que não há mais condições de se reverter o quadro.

Leia mais...

Governo reúne apenas cinco senadores em reunião de líderes da base no Planalto

BRASÍLIA - Na véspera do desembarque do PMDB do governo, o ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, conduziu uma reunião de líderes do Senado esvaziada no Palácio do Planalto. Apenas cinco senadores compareceram, três deles do PT. Além dos petistas, participaram do encontro Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) e Wellington Fagundes (PR-MT).

Leia mais...

Compartilhe