Busque abaixo o que você precisa!

Bolsonaro: modos de lidar

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2018 | 03h00

Na véspera do primeiro debate na TV aberta da eleição presidencial, o da Band amanhã, as campanhas dos adversários de Jair Bolsonaro ainda não chegaram a um consenso sobre a melhor maneira de confrontar o líder nas pesquisas.

Enquanto a necessidade de fazê-lo desidratar nas pesquisas poderia sugerir que ele seja o alvo natural dos ataques de todos os demais, as recentes sabatinas e entrevistas das quais o candidato do PSL à Presidência participou levaram os QGs rivais a reverem essa estratégia.

Um dos responsáveis pela preparação de um dos oito contendores observa que “o bizarro, o inusitado”, não tira voto de Bolsonaro. Ao contrário, parecem fortalecê-lo diante do eleitorado fiel.

Leia mais:Bolsonaro: modos de lidar

Nas eleições 2018, PT se alia a partidos que apoiaram impeachment

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Apesar do discurso de que Dilma Rousseff foi vítima de um “golpe”, o PT se aliou em 15 Estados a partidos que apoiaram o impeachment da presidente cassada em 2016 e integraram o governo Michel Temer. Levantamento feito pelo Estado mostra que o PT será cabeça de chapa ao governo nas eleições 2018 em seis Estados em coligações com partidos que foram favoráveis ao impedimento. Na mão inversa, outros nove candidatos a governador de siglas que votaram pelo afastamento de Dilma vão ter o apoio do PT.

Lula
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre o senador Renan Calheiros e o governador Renan Filho na passagem da caravana petista por Alagoas, em agosto de 2017 Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Desses nove, há filiados ao MDB, PSD, PTB, PR e Rede. Outros quatro são do PSB, partido que em 2016 orientou voto favorável ao afastamento da presidente cassada. Agora, porém, o PSB – que sempre foi um aliado histórico dos petistas – fechou acordo nacional com o PT para não apoiar formalmente nenhum candidato à Presidência.

Leia mais:Nas eleições 2018, PT se alia a partidos que apoiaram impeachment

COMO 'CANDIDATO DE LULA', HADDAD ASSUME SEGUNDA POSIÇÃO, APONTA PESQUISA

247 - Pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) para a corretora XP Investimentos mostra que o nome do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) é citado como candidato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao Planalto, Haddad já assume a segunda posição em intenções de voto. 

 

Segundo o levantamento, ao ser apontado como candidato do ex-presidente, Haddad salta para 13%, e fica atrás apenas de Bolsonaro, que registra 20%. O terceiro lugar é dividido entre Marina e Alckmin, com 9% cada um.

Leia mais:COMO 'CANDIDATO DE LULA', HADDAD ASSUME SEGUNDA POSIÇÃO, APONTA PESQUISA

Eleições 2018: veja datas de sabatinas e debates entre presidenciáveis

Igor Moraes, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2018 | 18h49

O período oficial de campanha eleitoral será aberto no dia 16 de agosto, mas os debates na TV entre os políticos que participarão das eleições 2018 vão começar já nesta semana. O primeiro embate entre os candidatos à Presidência da República será promovido pela Band na quinta-feira, 9, às 22 horas. Tradicionalmente, a emissora é a primeira a realizar o encontro na televisão.

Em parceria com o Estado, a TV Gazeta realizará seu debate com os postulantes ao Palácio do Planalto no dia 9 de setembro, às 19h30. Caso aconteça o segundo turno, um novo encontro está marcado para o dia 14 de outubro.

Leia mais:Eleições 2018: veja datas de sabatinas e debates entre presidenciáveis

A ‘viagem lisérgica’ do PT

O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2018 | 03h00

O Partido dos Trabalhadores (PT), dirigido da cadeia por seu chefão, tem e não tem candidato à Presidência. Ou melhor, tem dois candidatos - e uma candidata a vice-presidente que é sem ser. Se o leitor não entendeu, não se preocupe. Ninguém entendeu. É a “viagem lisérgica” de que falou o candidato Ciro Gomes a respeito da estratégia petista.

A oficialização da candidatura de Lula da Silva à Presidência, no sábado passado, torna o PT, na prática, um partido sem candidato, pois o demiurgo de Garanhuns é inelegível, de acordo com a Lei da Ficha Limpa. A ideia, claro, é desafiar a Justiça a impugnar a candidatura do messiânico líder petista - que, à moda dos velhos caudilhos de antanho, considera que somente a História e as urnas são capazes de julgá-lo, pois ele está acima dessa formalidade chamada “lei”.

Leia mais:A ‘viagem lisérgica’ do PT

Compartilhe