Busque abaixo o que você precisa!

XP/Ipespe: Bolsonaro lidera com 58%, Haddad tem 42%

Pesquisa XP/Ipespe divulgada na manhã desta sexta-feira (26) confirma a liderança do candidato Jair Bolsonaro (PSL) na corrida presidencial. Bolsonaro mantém 58% dos votos válidos, mesmo valor obtido na pesquisa da semana passada. Fernando Haddad (PT) tem 42%. O levantamento tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Os números são idênticos aos da pesquisa divulgada na semana passada, o que confirma o favoritismo de Bolsonaro para o segundo turno. Haddad precisaria converter mais de 8,5 milhões de eleitores em apenas dois dias e sem horário de propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

Leia mais:XP/Ipespe: Bolsonaro lidera com 58%, Haddad tem 42%

Prisão mais rígida opõe Bolsonaro e Haddad nas eleições 2018

Breno Pires e Fábio Serapião, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2018 | 03h00

BRASÍLIA - Com uma escalada no número de presos e déficit de vagas, o sistema penitenciário nacional é encarado de maneira distinta nos programas de governo dos candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Enquanto o líder nas pesquisas defende “prender e deixar preso”, o segundo colocado é crítico à política do “encarceramento em massa” e afirma que as “prisões devem, prioritariamente, tirar o criminoso violento de circulação”. 

Embora a segurança seja tratada como questão central na campanha eleitoral, os candidatos não detalham em seus planos de governo como vão lidar, por exemplo, com a presença de facções criminosas em presídios. A ausência do tema no debate eleitoral foi alvo de crítica do atual ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, para quem as penitenciárias são o maior problema da segurança no País. 

Prisão mais rígida opõe Bolsonaro e Haddad nas eleições 2018
Déficit em presídios é de 360 mil vagas Foto: Márcio Fernandes/Estadão

Segundo ele, mesmo com 720 mil apenados, número que cresce 8,3% ao ano, e 70 facções criminosas, que comandam o crime de dentro dos presídios, o sistema não dá voto e por isso foi esquecido pelos candidatos. O déficit, segundo dados do governo, é de 360 mil vagas.

Leia mais:Prisão mais rígida opõe Bolsonaro e Haddad nas eleições 2018

E se Bolsonaro acabar fazendo, por distração, um bem ao país?

FORA FHC

E se Jair Bolsonaro (PSL) fizer, por distração, um bem ao país? “Olhem o Reinaldo a flertar com o capitão...” Calma! Não há chance de eu me deixar seduzir por pisadelas, beliscões e truculência. Todos sabem o que penso sobre a candidatura de Bolsonaro. Expus de forma um pouco mais detida, em artigo na Ilustríssima, a repulsa que me causam parte de sua agenda, o modo como ele a apresenta e os sentimentos que mobiliza. 

Não está, no entanto, em formação, observei, um movimento “fascista”. Rejeito o emprego da palavra como metáfora ou xingamento. Há, sim, valores inequivocamente fascistoides no conjunto da obra. Refuto que o candidato possa ser visto como expressão do liberalismo, ainda que o significado dessa palavra se esgotasse em uns tantos pressupostos econômicos. Gosto da ideia de que a economia, assim como a matemática, não é moral. Mas as pessoas são.

Leia mais:E se Bolsonaro acabar fazendo, por distração, um bem ao país?

‘Homofobia de Bolsonaro é da boca para fora’, diz Regina Duarte

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2018 | 05h00

Tão logo postou uma foto ao lado do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), a atriz Regina Duarte viu sua página no Instagram ganhar 300 mil seguidores em apenas quatro dias. Nas ruas, é festejada e cumprimentada, tornando-se um dos raros nomes da classe artística a abraçar a candidatura bolsonarista. “Ele tem uma alma democrática”, garante Regina, que interpreta as declarações consideradas homofóbicas e racistas do candidato como frutos de um homem com um “humor brincalhão típico dos anos 1950, que faz brincadeiras homofóbicas, mas que são da boca pra fora, coisas de uma cultura envelhecida, ultrapassada”.

Regina Duarte
Regina se diz arrependida de ter revelado medo de Lula em 2002: ‘Dei a cara a tapa à toa’ Foto: Alex Silva/Estadão

A situação é diferente da vivida por ela em 2002, quando foi muito criticada ao revelar seu temor pela primeira eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência. “Eu estava completamente alienada, pois o Lula já havia ganhado”, afirma. “Não me arrependo, mas, se pudesse voltar no tempo, teria me informado melhor sobre o que estava acontecendo naquele momento. O País queria o Lula e fui dar a cara a tapa à toa.”

Leia mais:‘Homofobia de Bolsonaro é da boca para fora’, diz Regina Duarte

Universidades de todo o país são alvo de ações policiais e da Justiça Eleitoral

SÃO PAULO e RIO DE JANEIRO

Policiais e fiscais de tribunais eleitorais desencadearam uma série de ações em universidades públicas por todo o país que despertaram reação da comunidade acadêmica e de entidades da sociedade civil.

As medidas, na maior parte relacionadas à fiscalização de suposta propaganda eleitoral, vêm acontecendo nos últimos três dias em instituições pelo Brasil. Críticos das operações apontam censura.

No Rio de Janeiro, a Justiça ordenou que a Faculdade de Direito da UFF (Universidade Federal Fluminense) retirasse da fachada uma bandeira em que aparece "Direito UFF Antifascista". A bandeira chegou a ser removida na terça-feira (23) sem que houvesse mandado, mas depois foi recolocada por alunos.

Leia mais:Universidades de todo o país são alvo de ações policiais e da Justiça Eleitoral

Compartilhe