Busque abaixo o que você precisa!

O preço do voto

Em São Paulo, santinhos espalhados pelo chão no dia do primeiro turno das eleições deste anoEm São Paulo, santinhos espalhados pelo chão no dia do primeiro turno das eleições deste ano - Paulo Whitaker/Reuters

 

Em um curso forçado, sob o impacto das revelações da Lava Jato, o Brasil atingiu o objetivo de baratear as campanhas eleitorais.

Conforme esta Folha relatou, os candidatos aos múltiplos cargos em disputa no primeiro turno deste ano se valeram de uma receita total de R$ 2,8 bilhões. O montante decerto está longe de desprezível, mas aponta uma substancial redução após os R$ 6,4 bilhões, em valores corrigidos, desembolsados há quatro anos nos dois turnos.

Resta contabilizar, claro, os gastos dos confrontos finais ao Palácio do Planalto e aos governos de 13 estados; seria ingenuidade, ainda, imaginar que não tenha havido casos de caixa dois. De todo modo, não há dúvida de que se reverteu uma tendência de encarecimento contínuo dos pleitos no país.

Leia mais:O preço do voto

Fake news guiam eleição presidencial

Não é de hoje que a mentira é usada na política. Afinal, mesmo o político bem intencionado —que quer promover o bem da sociedade—sabe que, para ter impacto real, precisará vencer. Para vencer, é preciso dar esperança ao eleitorado e mostrar-se como superior aos outros. Daí vêm as promessas vazias e acusações sem base de toda campanha. Nunca teremos uma política completamente calcada na veracidade. Mas, do ponto de vista dos cidadãos, seria desejável reduzir o grau de mentiras. 

Leia mais:Fake news guiam eleição presidencial

Paulo Guedes trabalha na criação de uma reforma fiscal mais abrangente

Alexa Salomão
SÃO PAULO

 duas semanas do fim do segundo turno, com as pesquisas indicando Jair Bolsonaro (PSL) como favorito, o economista Paulo Guedes e sua equipe trabalham para definir alguns pontos ainda em aberto na agenda econômica, segundo pessoas próximas que falaram à Folha na condição de anonimato.

A ambição do grupo é produzir uma ampla reforma fiscal. Numa analogia, o ponto de partida é o teto dos gastos, que será mantido e sob o qual serão colocados pilares que buscam cortar gastos.

No caso da reforma da Previdência, a mais aguardada pelos especialistas em contas públicas, o compasso é de espera.

Leia mais:Paulo Guedes trabalha na criação de uma reforma fiscal mais abrangente

Irmão de Ciro chama petistas de babacas e diz que partido merece perder

Gustavo Uribe / Folha de SP
BRASÍLIA

Em evento de apoio à candidatura de Fernando Haddad (PT), na noite desta segunda-feira (15), o senador eleito Cid Gomes (PDT-CE) fez dura crítica ao PT.

Convidado a discursar, o irmão de Ciro Gomes (PDT), terceiro colocado na disputa presidencial deste ano, cobrou da direção da legenda que faça um "mea culpa" dos erros que cometeu.

"Tem de fazer um mea culpa, pedir desculpa, ter humildade e reconhecer que fizeram muita besteira", disse. "Não admitir os erros que cometeram é para perder a eleição. E é bem feito", ressaltou.

Sob vaias de militantes petistas, Cid chamou de "babacas" aqueles que protestavam contra seu discurso e disse que o partido "merece perder" caso não fala uma autocrítica.

Leia mais:Irmão de Ciro chama petistas de babacas e diz que partido merece perder

Na segurança, ideia de Bolsonaro estimula crime

Em matéria de propostas para os problemas nacionais, Jair Bolsonaro raramente se mostra um candidato bem-alimentado. Ou está com excesso de alimentação ou morrendo de inanição. Nesta segunda-feira, o capitão declarou a uma rádio de Barretos (SP) que o projeto do seu hipotético governo é fazer o Brasil “ser igual 40, 50 anos atrás”. Disse isso no instante em que discorria sobre a insegurança que vigora nas grandes cidades do país. A solução seria o encarceramento. ''Cadeia não recupera ninguém”, afirmou. “Cadeia é para tirar o elemento da sociedade''.

Leia mais:Na segurança, ideia de Bolsonaro estimula crime

Compartilhe