Busque abaixo o que você precisa!

Desde 2012, Brasil elege só uma mulher por eleição para comandar capitais

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

 

As eleições 2020 marcaram a estagnação do número de mulheres eleitas para comandar prefeituras de capitais no Brasil. Pela terceira eleição municipal seguida, apenas uma mulher ganhou. Neste ano, somente Cinthia Ribeiro (PSDB), de Palmas (TO), foi escolhida entre as capitais. Ela assumiu o cargo em 2018 após a renúncia de Carlos Amastha (PSB) e foi reeleita neste ano. 

Cinco candidatas tinham chance de aumentar o número de mulheres à frente de prefeituras de capitais nas disputas de 2º turno deste domingo, mas todas foram derrotadas. As que mais chegaram mais perto foram Cristiane Lopes (PP), derrotada em Porto Velho (RO) com 45,55% dos votos válidos por Hildon Chaves (PSDB), que teve 54,45%; e Manuela D'Ávila (PCdoB), derrotada em Porto Alegre (RS) por Sebastião Melo (MDB) por 54,63% a 45,37%.

Também foram derrotadas neste domingo Marília Arraes (PT) em Recife (PE), Delegada Danielle (Cidadania) em Aracaju (SE) e Socorro Neri (PSB) em Rio Branco (AC). João Campos (PSB), Edvaldo Nogueira (PDT) e Tião Bocalom (PP) foram os vencedores nessas cidades, respectivamente.

Cinthia Ribeiro
Cinthia Ribeiro (PSDB), prefeita reeleita em Palmas (TO) Foto: Divulgação/Campanha de Cinthia Ribeiro

Em Macapá, onde a eleição foi postergada para dezembro por causa dos problemas no fornecimento de energia elétrica, Patrícia Ferraz (Podemos) aparece em segundo lugar na pesquisa Ibope divulgada em 11 de novembro, atrás de Josiel (DEM), com 26%, e apenas um ponto porcentual acima de Dr. Furlan (Cidadania). 

Em 2012, Teresa Surita (MDB) foi eleita prefeita de Boa Vista (RR), a única mulher escolhida para comandar uma capital no País. Quatro anos depois, repetiu o feito em sua reeleição. 

Levantamento da agência de dados Fiquem Sabendo divulgado no mês passado mostrou que apenas sete mulheres foram eleitas prefeitas de capitais brasileiras nos últimos 20 anos. Agora, oito. A presença feminina não passa de 8% no comando de capitais desde 2000, quando cinco mulheres foram eleitas. Em 2004 e em 2008, foram duas.

Eleitor rejeita 2º turno de 2018

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2020 | 03h00

Dois anos depois, o eleitor do Brasil mostra ter virado a página da polarização que levou ao segundo turno entre Jair Bolsonaro e o PT, em 2018. O mapa que sai das urnas não tem, no comando das capitais, nenhum bolsonarista-raiz e nenhum petista, e isso não é pouca coisa, nem é incidental. Tanto o presidente quanto Lula e o PT acharam que bastava manter o script de dois anos atrás que os resultados se repetiriam. O presidente montou seu circo nas redes sociais, liberou a tropa para plantar fake news, fez pouco caso da necessidade de um partido organizado e escolheu a esmo candidatos para chamar de seus em todo o País, com base quase sempre numa identificação ideológica rasa. Usou e abusou de recursos públicos para bombá-los. Foi fragorosamente derrotado.

Jair Bolsonaro vota no segundo turno
Presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa após votar no segundo turno. Foto: André Coelho/AFP

Lula e o PT acharam que 2020 seria a forra de 2016 e 2018. Finalmente o eleitorado reconheceria que a Lava Jato foi uma farsa, o impeachment de Dilma Rousseff, um golpe, e a condenação e prisão de Lula uma jogada para dar vitória a Bolsonaro, com a cumplicidade da imprensa. Ficou falando sozinho e foi superado por outras legendas de esquerda, que já saem das urnas avisando: não vai dar para querer cantar de galo hegemônico para 2022. E se esses foram os grandes derrotados, quem vence? Os grandes partidos de centro e centro-direita, aquele mainstream humilhado nas urnas em 2018, curiosamente. DEMPSDB e PSD tiveram importantes vitórias nas capitais mais relevantes, e o MDB deu uma boa desidratada, mas manteve sua capilaridade nacional e agora vê o Progressistas lhe fazer sombra nas cidades pequenas e médias.

Na direita, a implosão do PSL e o envelhecimento precoce do Novo deram espaço a siglas como o Patriota, que será disputado entre bolsonaristas e MBL. E a esquerda pós-Lula? Viverá discreta corrida entre Ciro Gomes e Guilherme Boulos pelo protagonismo. O primeiro construiu boas alianças com PSB e até o DEM e fincou bandeira no Nordeste. O segundo é a ave mais vistosa da esquerda, case de sucesso em renovação de discurso e identificação com os jovens, tendo mostrado caminho exitoso nas pautas sociais sem precisar passar pano na corrupção petista nem pagar tributo a Lula.

*EDITORA DO BR POLÍTICO E APRESENTADORA DO PROGRAMA RODA VIVA, DA TV CULTURA

NOVO E PARTIDOS DE ESQUERDA FORAM OS QUE MAIS MENCIONARAM COMBATE À CORRUPÇÃO NAS ELEIÇÕES 2020

O levantamento de 15.728 projetos de governo de candidatos a prefeito nas eleições municipais deste ano, feito pela Transparência Brasil, mostra que a luta contra à corrupção no país ainda é vista de modo genérico.

O relatório foi realizado com base em palavras-chave, a fim de avaliar como os candidatos aderem aos ideais de controle social e transparência.

Com exceção do Novo, partidos de esquerda estão nos primeiros lugares no uso das palavras “corrupção”, “integridade” e “transparência”.

Apesar do termo “transparência” ser apontado em 67% das propostas de governo, poucas apresentam palavras-chave ligadas à integração com o setor público.

O relatório ainda apresenta que as candidaturas femininas foram as que mais defenderam controle social, combate à corrupção e transparência.

GUILHERME AMADO/ ÉPOCA

O HORIZONTE DA EXTREMA-DIREITA APÓS O BAQUE DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Natália Portinari e Naira Trindade, de Brasília, e Gustavo Schmitt e Guilherme Caetano, de São Paulo

 

O sábado 14, um dia antes do primeiro turno das eleições municipais, foi quando o presidente Jair Bolsonaro caiu em si. Apesar de ter passado a última semana fazendo lives em prol dos candidatos que apoiaria no dia seguinte, já sabia que o desfecho que se desenhava não era promissor. Suas principais apostas, Celso Russomanno, em São Paulo, e Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro, amargavam números desanimadores, segundo as últimas pesquisas. Sem muita modéstia, atrelou o mau resultado dos aliados a sua própria ausência da corrida eleitoral — já que suas lives se tornaram frequentes apenas às vésperas do pleito. Mas reconheceu estar preocupado mesmo com outra coisa: o desempenho de seu filho Carlos Bolsonaro, candidato à reeleição para vereador no Rio de Janeiro.

 

osse, acabou saindo menor do que entrou na campanha municipal. Em 2016, obteve 106 mil votos. Neste ano, não passou de 71 mil, uma queda de 33%. E, de quebra, o filho perdeu o posto de vereador mais votado da cidade para Tarcísio Motta, do PSOL.

Principais apostas de Bolsonaro nas duas maiores capitais do país, Celso Russomanno (à direita), em São Paulo, e Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro, amargavam números desanimadores. Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo
Principais apostas de Bolsonaro nas duas maiores capitais do país, Celso Russomanno (à direita), em São Paulo, e Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro, amargavam números desanimadores. Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

Esse foi o pior recado do pleito, mas não o único. Russomanno, que contou com o apoio expresso do presidente, largou na frente nas pesquisas. No começo da campanha, isso encheu de esperança o Palácio do Planalto, que anseia fincar raízes no reduto eleitoral de seu adversário, João Doria, governador de São Paulo. Na tarde nublada de 3 de outubro, na Zona Sul de São Paulo, após um evento de campanha de Russomanno, Fabio Wajngarten, secretário executivo da Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), era só otimismo. A bordo de um jipe Mercedes preto, disse a ÉPOCA, sorridente: “Ele (Russomanno) já está eleito”. E prosseguiu em sua análise: “De um lado, a esquerda está acabada por causa da Lava Jato. De outro, tem o PSDB desgastado em São Paulo. Ninguém aguenta mais. Foi assim em 2018”, apostou o secretário. Russomanno amargou o quarto lugar, com apenas 560 mil votos (10,5% do total), enquanto o adversário do tucano Bruno Covas no segundo turno será Guilherme Boulos, do PSOL — cenário que configura dupla derrota para o presidente, que há dois anos venceu na capital paulista com 60% dos votos.

Em todo o país, dos 44 candidatos que ganharam o aval do presidente, apenas nove se elegeram. Entre esses poucos sortudos não estão parentes de sobrenomes considerados ilustres no bolsonarismo, como o irmão da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). Ela tem 1 milhão de seguidores no Twitter e 2,2 milhões no Facebook. Ele atraiu apenas 12 mil votos, abaixo da linha de corte para conseguir uma vaga na Câmara Municipal de São Paulo. O pai de Zambelli, candidato a vice-prefeito em Mairiporã, no interior paulista, tampouco prosperou. Edson Salomão, líder do Movimento Conservador e aliado do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o zero três, ficou de fora da Câmara de Vereadores de São Paulo. No Rio de Janeiro, Rogéria Bolsonaro, ex-mulher do presidente e mãe de seus três filhos mais velhos, não foi eleita, apesar do sobrenome e do empenho, principalmente de Carlos.

Antes de dormir, no dia 15, Bolsonaro tentou minimizar a contagem de mortos e feridos. Escreveu em sua conta no Twitter que sua “ajuda a alguns poucos candidatos a prefeito resumiu-se a 4 lives num total de 3 horas”, que a esquerda saiu derrotada e que a “onda conservadora chegou em 2018 para ficar”. Dois dias depois, ao se reunir com alguns parlamentares empenhados na criação de seu (ainda inexistente) partido, o Aliança pelo Brasil, compartilhou uma análise mais realista sobre o pleito. Para o presidente, a direita foi prejudicada em razão da pulverização partidária: “Quem saiu ganhando foi o pessoal do (Luciano) Huck”, vaticinou. A preocupação exposta naquela conversa não demorou a migrar para dentro do grupo de WhatsApp do Aliança pelo Brasil, onde deputados, senadores, ministros e integrantes do governo Bolsonaro debatem a criação do novo partido.

Russomanno terminou em quarto lugar na capital paulista com 10% dos votos válidos. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (na foto), candidato à reeleição, conseguiu ir para o segundo turno, mas aparece muito atrás de Eduardo Paes na primeira pesquisa divulgada na terça-feira 17. Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo
Russomanno terminou em quarto lugar na capital paulista com 10% dos votos válidos. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (na foto), candidato à reeleição, conseguiu ir para o segundo turno, mas aparece muito atrás de Eduardo Paes na primeira pesquisa divulgada na terça-feira 17. Foto: Brenno Carvalho / Agência O Globo

O sentimento geral, segundo um membro do grupo relatou a ÉPOCA, foi de um “choque de realidade” diante do que a cúpula da legenda reconhece ser uma derrota da extrema-direita. Sem um partido que abarcasse toda a direita radical, seus candidatos haviam ficado dispersos por várias siglas nas eleições municipais. “A direita bolsonarista aprendeu uma lição nesta eleição, a de que existe um eleitor de direita não necessariamente bolsonarista”, disse Alexandre Borges, analista político e proveniente de antigos círculos de estudo de Olavo de Carvalho. “É uma descoberta dura para o bolsonarismo, que se achava dono desse campo político.”

Leia mais:O HORIZONTE DA EXTREMA-DIREITA APÓS O BAQUE DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

A volta ao normal - Antonio Lavareda

Nesse domingo, confirmadas as pesquisas publicadas até 25/11, conclui-se a leitura da vitória da direita tradicional. Essas “eleições mantenedoras”, com taxa de recondução de 63%, um terço maior que a anterior, não excluíram novidades. Aumentou a diversidade social nas Câmaras, espelhando melhor o tecido social. A direita levou o maior quinhão de prefeituras, enquanto o centro e a esquerda encolheram no país.

Embora essa última, às vezes substituindo o PT por aliados menores, tenha demonstrado capacidade de recuperação em grandes cidades, incluída a maior delas, São Paulo. Encerrado o ciclo, é inevitável que nossa última coluna aponte o que emergiu como sinalização sobre a disputa daqui a dois anos. Antes, presumia-se que nela assistiríamos a consolidação do “realinhamento crítico” que fez desabar o duopólio PSDB-PT (1994-2014).

A vitória do Presidente, bem avaliado pela sociedade, de novo à frente de um pequeno partido, triunfando após campanha arrasadora do bolsonarismo nas redes sociais. Porém, a rearrumação na base do sistema — os municípios — e sobretudo a revalorização da política com a derrota dos outsiders alteraram o curso. Hoje, é grande a possibilidade de que 2022 seja uma “eleição contra-desviante”.

O rio voltando ao leito habitual. Mesmo com novos atores. O que não inviabiliza a reeleição de Bolsonaro, caso a economia venha a lhe ajudar. Mas não como o personagem original. Ele precisará concorrer com o traje que antes rejeitou. Procurando apoios e uma coligação que lhe traga bastante tempo de TV para mostrar o que fez e explicar o que não fez. Num pleito “normal”. Qualquer que seja o resultado, 2018 terá ficado para trás como um ponto fora da curva.

Hoje, é grande a possibilidade de que 2022 seja uma “eleição contra-desviante”

Leia mais:A volta ao normal - Antonio Lavareda

Compartilhar Conteúdo