Busque abaixo o que você precisa!

Brasileiro quer líder que priorize o País e não as eleições

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2021 | 14h00

“Só um ano de atraso”, foi uma das frases irônicas que invadiram as redes sociais após o anúncio, na quinta-feira passada, da criação de um comitê para discutir e pôr em prática ações integradas de combate à covid-19 no Brasil. Após reunião com os presidentes da Câmara, do Senado, do Supremo Tribunal Federal (STF), alguns governadores e ministros, o presidente Jair Bolsonaro prometeu um trabalho conjunto e disse acreditar que o melhor caminho para tirar o País da crise é “sem qualquer conflito, sem que haja politização”.

A postura e o discurso do presidente, porém, destoam da forma como o Brasil assistiu à condução da pandemia nos 13 meses anteriores. Em meio a uma crise sanitária sem precedentes e um número cada vez maior de mortos, o período foi marcado por conflitos do presidente – que se opôs a medidas de isolamento e criticou vacinas – com governadores e prefeitos.

Uma consequência desta “pane” federativa pode ser vista num levantamento da Ipsos e do Global Institute for Women’s Leadership publicado neste mês: após um ano conturbado de pandemia, uma parcela majoritária dos entrevistados no Brasil disse querer que seus líderes coloquem os problemas do País como prioridade à frente de suas próprias ambições políticas.

É o que pensa a advogada Valéria Martins, de 35 anos, do Rio de Janeiro, que acompanhou de perto o drama de amigos que perderam familiares para a doença ou que estão desempregados na crise. “Essas brigas políticas só pioram a nossa situação, tanto na questão da saúde, como financeira. Estão pensando nas eleições e não em ajudar o povo”. A mineira Amanda de Paula, que trabalha com administração de empresas, tem o mesmo ponto de vista: “Eu esperava que atitudes tivessem sido tomadas bem antes do caos todo”.

O estudo da Ipsos pediu a mais de 20 mil entrevistados de 28 países que apontassem cinco características prioritárias que esperam de um líder para reverter a crise do coronavírus. Entre os brasileiros, a principal urgência, citada por 42% dos participantes, foi o desejo de que políticos priorizem os interesses do País ao invés de suas próprias carreiras. Esta e outras características como “ser honesto”, “tomar decisões certas na hora certa” e “agir rápido para proteger as pessoas” tiveram, entre os brasileiros, suporte mais alto do que a média dos países pesquisados.

 

Valéria Martins, advogada
Valéria Martins, advogada, moradora do Rio: 'Estão pensando nas eleições e não em ajudar o povo' Foto: Wilton Junior/Estadão

“Essas questões são mais percebidas como mais importantes por aqui”, disse Marcos Calliari, presidente da Ipsos no Brasil. “A capacidade de enfrentar a pandemia e suas desastrosas consequências, em um país que foi particularmente atingido, requer, no olhar da população brasileira, capacidade de entender os problemas da população e protegê-la, comunicar-se bem e pensar no País.”

Apesar de agora abrandar o tom negacionista e falar que o governo nunca se opôs à vacinação, durante meses Bolsonaro duvidou da eficácia das vacinas, chegando a barrar uma decisão do então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de comprar a Coronavac e chamou o imunizante de “a vacina chinesa de João Doria”. Filiado ao PSDB, o governador de São Paulo é um potencial adversário de Bolsonaro na disputa presidencial do ano que vem. “É normal que haja dissenso em alguns pontos do combate à pandemia como houve com o auxílio emergencial acerca do valor e até do auxílio em si, mas a disputa política não pode se tornar algo nocivo ao País e à população. Foi o que vimos com a vacinação”, disse o advogado Augusto Costa, de 25 anos, morador de Sertãozinho, no interior de São Paulo.

Medidas de isolamento social durante a pandemia também estão entre as principais discordâncias de Bolsonaro com gestores estaduais e municipais. Na semana passada, o presidente chegou a ingressar com uma ação no STF para tentar reverter restrições na Bahia, Rio Grande do Sul e Distrito Federal; o pedido foi negado. Recentemente, governadores e prefeitos de grandes capitais se desentenderam publicamente na adoção de medidas de restrição. Casos como o do prefeito do Rio, Eduardo Paes (DEM), e do governador do Estado, Cláudio Castro (PSC), de Doria e do prefeito paulistano, Bruno Covas (PSDB). 

O Supremo assegurou a Estados e municípios a autonomia para tomar medidas contra a propagação da doença, mas não exime a União de realizar ações e de buscar acordos com gestores locais.

“Colocar o País à frente da política é um apelo por responsabilidade coletiva, tomar medidas no tempo certo, sem conflito e sem procrastinação é olhar para as necessidades do povo”, diz o cientista político e escritor Sérgio Abranches. “Hoje vivemos uma ameaça existencial e, em muitos lugares, como o Brasil, governos em completo divórcio com o país, com o povo. Várias lideranças, aqui e em quase todos os países democráticos, já entenderam esse anseio coletivo.”

Para o analista de risco político Creomar de Souza, da consultoria Dharma, a combinação de crises na pandemia – sanitária, política, econômica e social – indica uma tendência de debate político mais focado nas necessidades urgentes do País para o pleito do ano que vem. “As duas grandes tendências de debate são saúde pública e desemprego. O debate eleitoral tende a girar nesses dois temas por causa da pandemia, a dificuldade do governo em atender os doentes e a disponibilização de vacinas.”

O cenário de polarização dialoga com outro dado da pesquisa Ipsos: apenas 4% dos entrevistados brasileiros citaram como prioritária a necessidade de que líderes saibam dialogar e atuar conjuntamente com quem pensa diferente. Nenhum outro país do estudo aparece com uma porcentagem tão baixa neste quesito. “Uma parte do eleitorado brasileiro passou firmemente a acreditar nos últimos anos que dialogar com o diferente é uma corrupção de valores. Isso é ruim para a sociedade”, diz Creomar. 

Para Calliari, da Ipsos, o dado indica que a percepção de prioridade deveria desconsiderar as diferenças ideológicas: “Parece haver a percepção de que trabalhar apesar das diferenças políticas não é importante por si só. Há sinais de que a população vê a polarização política, mas importante é trabalhar para atacar o que o País enfrenta, com honestidade, empatia, transparência e competência, independentemente de qual seu espectro ideológico.”

'Para vencer Bolsonaro, esquerda deve se unir ao centro', diz Flávio Dino

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2021 | 05h00

Após o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), permitir que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) volte a disputar eleições, como consequência da anulação de suas condenações na Lava Jato, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), traçou o que considera o único cenário possível para vencer Jair Bolsonaro em 2022: "O centro democrático precisa estar junto para vencer a eleição. Se não der no primeiro turno, que seja no segundo."

Com boa articulação entre setores mais conservadores e liberais da sociedade, Dino disse ser "imperioso" a esquerda fazer esse movimento em direção ao centro político. "Não vejo Lula como um obstáculo para isso. Em primeiro lugar, porque ele já fez isso em 2002, quando se elegeu presidente com o José Alencar de vice, um empresário liberal que representava um sindicato patronal. E, segundo, porque já mostrou estar disposto a construir um projeto de nação que olhe para o futuro mais do que para o passado."

Entre os nomes que, segundo Dino, podem se aliar à esquerda num eventual segundo turno contra Bolsonaro estão os governadores João Doria (PSDB-SP) e Eduardo Leite (PSDB-RS), o apresentador Luciano Huck (sem partido) e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM). O ex-juiz Sérgio Moro está fora da lista, segundo o governador maranhense. Leia os principais trechos:

O senhor sempre defendeu que a esquerda fizesse um movimento ao centro na eleição de 2022 para impedir a reeleição de Bolsonaro. Isso é possível com Lula candidato?

Reafirmo que esse movimento de ampliação, no sentido de falarmos para além da esquerda, é imperativo. Para vencer Bolsonaro é preciso que nós façamos isso. E não vejo o Lula como obstáculo. Em primeiro lugar, porque ele já fez isso em 2002, quando se elegeu presidente com o José Alencar de vice, um empresário liberal que representava um sindicato patronal. E, segundo, porque já mostrou estar disposto a construir um projeto de nação que olhe para o futuro mais do que para o passado. O Brasil de 2022 não é igual ao Brasil de 2002, e espero que possamos estar juntos com o centro democrático para vencer a eleição. Se não der no primeiro turno, que seja no segundo.

O senhor acha possível, contra Bolsonaro, esses dois espectros - esquerda e centro - se unirem? Consegue ver o PSDB e o DEM, por exemplo, apoiando Lula num segundo turno ou vice-versa?

Já houve essa união antes. Em 1989, Mário Covas (ex-governador tucano) apoiou Lula contra Collor. Depois disso veio a polarização entre PT e PSDB, e essa aliança não foi mais possível. Já em 2018, ela deveria ter ocorrido em torno do nome de Fernando Haddad. Não ocorreu, e temos hoje a tragédia que é o governo Bolsonaro. Agora, nesta eleição, é o bolsonarismo que deve ser batido. Nós temos de nos unir por esse objetivo e acredito que, aos poucos, estamos cicatrizando as feridas de 2018. 

Há sinais de que isso possa ocorrer?

Todos os dias temos visto sinais. Veja o caso aqui do meu vice-governador, Carlos Brandão. Tinha sido obrigado a sair do PSDB por me apoiar e foi convidado agora a voltar e a comandar o partido no Maranhão. Essas alianças já ocorreram nas eleições municipais do ano passado. No Pará, por exemplo, Helder Barbalho (MDB) apoia o governo do PSOL em Belém. Em Fortaleza, Tasso Jereissati (PSDB) apoiou Sarto Nogueira (PDT). No Rio, todos votamos contra a reeleição de Marcelo Crivella (Republicanos). As coisas estão andando.

O senhor se refere sempre a "nós" quando fala de uma possível candidatura de Lula. Isso quer dizer que o senhor pessoalmente ou mesmo o PCdoB já fecharam com ele?

Quando me refiro a "nós" quero me referir a esse campo político social ao qual pertenço, que é menos partidário e mais progressista. Defendo lulismo, mas defendo o trabalhismo, todos juntos e com o centro liberal no segundo turno. Se eles passarem, nós apoiamos; se nós passarmos, eles vêm conosco. Não há outra maneira.

Muitas análises colocam Lula como o adversário ideal para o bolsonarismo. O senhor concorda?

Isso é um subterfúgio dos bolsonaristas, uma crença que tentam passar para frente. Ou, por acaso, alguém pode pensar que o Lula ou outro candidato do nosso campo possa ser um adversário fácil? No fundo, eles sabem que perdem para o campo democrático unido; Bolsonaro sabe disso. Vem dando sinais cada vez mais claros de que sabe também que a pandemia e a alta na inflação de preços estão corroendo sua popularidade. O povo não acompanha se as ações da Bolsa subiram ou se o câmbio variou. Mas sabe que os preços dos alimentos estão cada vez mais altos, assim como o litro da gasolina. Ai, o que faz Bolsonaro? Joga a culpa em seus ministros ou nos governadores. Nunca assume qualquer responsabilidade.

Mesmo antes de Lula recuperar a possibilidade de ser candidato, o senhor já conversava com esse centro que classifica como liberal. Quais são os nomes desse grupo hoje?

Acho que esse centro liberal tem um ou dois nomes. É da natureza das coisas haver um candidato nesse campo. Temos muitas diferenças programáticas, o campo deles e o nosso. O papel do Estado, por exemplo, é um deles. Mas, de fato, dialogo muito com muitos partidos. Falo com Luciano Huck, com Rodrigo Maia (DEM-RJ). Agora tenho falado bastante com o governador João Doria por causa da pandemia, e também com Eduardo Leite. Procuro sempre colocar que não podemos excluir pensamentos, mas extrair os melhores. Huck é um homem da mídia, não é um homem da política. Felipe Neto, a mesma coisa. Mas ambos são contrários ao Bolsonaro. Isso não é bom? Claro que é. Se estão dispostos a debater, melhor ainda.

O ex-juiz Ségio Moro está fora dessa lista?

Não tem ambiente para Moro na política. Ele é uma unanimidade negativa, não conheço mais de dez políticos que o apoiem para ser candidato. Nem sei se ele teria uma legenda para se lançar. Isso é o resultado do conjunto da obra. Ele teve acertos, reconheço, mas muitos erros. Não conheço todos os casos julgados por ele, mas, em relação a Lula, a parcialidade é muito clara. Acredito que o nome a ser apoiado pelo centro deva ficar entre Doria, Huck, Leite ou Mandetta. Sabe, não acho ruim o centro ter uma candidato; pelo contrário, até estimulo. Ter um centro forte é positivo para o Brasil. Ruim é Bolsonaro se reeleger.

Nesse contexto, onde Ciro Gomes se encaixa?

Sob o aspecto programático, certamente ele é mais próximo da esquerda. A visão dele de Brasil o coloca no nosso campo. Eu insisto que é errado excluir o PDT e uma liderança como Ciro Gomes desse processo. Até porque não o vejo como o candidato desse centro, como o candidato da Faria Lima. O ideal seria buscarmos uma aliança já no primeiro turno. Ciro já foi ministro de Lula, eu não fui. Não é possível que desse casamento só sobraram mágoas, tem que ter algum vestígio de amor ali.

E o Centrão? Acha que estará ao lado de Bolsonaro na eleição ou é ainda é cedo para afirmar isso? 

Acho que não dá para dizer que o Centrão vai com Bolsonaro, não. Esse grupo é pendular. O Centrão já esteve com o Lula, com o Michel Temer, com o Bolsonaro. Oscila de um lado para o outro. Para mim, essa turma vai se dividir, só atua em bloco no aspecto legislativo, não eleitoral.

Esse movimento de união dos governadores representa o ápice da atual crise federativa que vivemos? Acha que essa união deve permanecer até o fim do governo Bolsonaro?

Nesse dois primeiros anos de governo Bolsonaro, o que garantiu o mínimo de organização no País foi uma aliança entre os governadores, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal. Houve, de fato, uma forte atuação dos governadores, que encontrou guarda no Supremo. Foram várias as decisões que nos permitiram agir, especialmente na pandemia. O Congresso, sob Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, também foi muito importante ao assegurar o auxílio emergencial de R$ 600, por exemplo. Agora, muitas coisas são de competência da União. Somos uma federação, não uma confederação, é bom que se diga isso. Os governadores fazem muito, mas não podem fazer tudo. 

Bolsopetismo, o pior dos pesadelos - ISTOÉ

Em um Brasil à deriva, assolado pelo buraco negro da falta de vacinas, abismo vertiginoso que a tudo consome, parece que o ruim pode ficar ainda pior. Todos viram: o primeiro quadrilheiro do mal afamado Mensalão, o chefão da gangue, despojado por um lance monocrático das acusações que lhe pesavam. De volta à disputa! Não há como resistir ao comentário diante da situação.

Muitos enxergam racionalmente os lances em andamento e sabem, o jogo do poder é um labirinto. Quem nos espera ao cabo dos caudalosos meandros da transição em curso? A democracia ou o Minotauro? A julgar pelo que dizem da polarização extrema e radical, garantida entre Lula e Bolsonaro, estamos na galeria dos belzebus. Há, naturalmente, uma hierarquia dos demônios, ao sabor da vertente ideológica. Mas com a tirania em andamento, não existe nada que supere o poder libertário de um país mergulhado nos últimos anos em sombras.

Aos oráculos deuses das urnas caberá o veredicto. Nessa guerra de insanos, à direita e à esquerda, não existe Asmodeu menor. Tome-se o caso daquele hoje aboletado na cadeira de controle do Planalto. Monstro meio touro e meio homem, pulou do labirinto e tomou o coração dos incautos como símbolo de um poder capaz de impor sacrifícios humanos sem precedentes. É o que conta a mitologia e verifica-se na prática cotidiana de uma certa vereda tropical. O nosso Minotauro Bolsonaro apresenta a inconfundível fisionomia do Brasil populista, retocada por maquiadores treinados nos salões da prepotência, que vêm desde a ditadura. O fenômeno tem o seu lado assustador.

Que estranha força é essa que junta o negacionismo doentio da pandemia aos golpes assustadores de controle do Estado e ao horror do vazio calculado de ações para salvar o País? Que futuro aguardar na ribalta eleitoral com alguém que não mostra coisa alguma, salvo o projeto totalitário e tenebroso, desejoso de cassar os direitos individuais mais elementares e “venezuelizar” uma Nação inteira, enquanto se disfarça na pele de liberal que nunca lhe caiu bem? E o que dizer de seu antípoda? Lula, o camaleão político capaz de adequar o figurino “paz e amor” enquanto saqueia as entranhas e os tesouros estatais, aparelhando a máquina, expert em promover chicanas legais para se safar do patíbulo? Dois monstros de um mesmo labirinto.

Precisavam estar enclausurados no mais remoto esquecimento, relegados ao chiqueiro malcheiroso do que há de pior e medíocre na humanidade. Lula não deixou de ser moralmente e na letra da Lei o ficha-suja que sempre se mostrou. Nem Bolsonaro conseguirá apagar a mácula autoritária e xucra de seus vitupérios. Não há mais como negar, a combinação putrefata do Bolsopetismo se concretizou na prática. Estão presentes e pendentes essas forças antagônicas, de hordas de seguidores tão alienados como veneradores de semideuses das trevas. Amantes da patifaria se reaglutinam em torno de cada líder na busca de um novo esquema de controle, capaz de mantê-los na sela do privilégio e da hegemonia de pregações alucinadas.

A promover o pérfido embate, colocando na encruzilhada das decisões dois Minotauros tão temidos como adorados, encontram-se (quem diria!) os paladinos da Justiça, bastiões da moralidade pública, senhores do universo e da lei no Supremo Tribunal. A eles legada a culpa pela algazarra de decisões inexplicáveis. Ou alguém entende? Invocam questões processuais para libertar de acusações o endiabrado barbudo, embora reiterem seus crimes de corrupção, fartura de benesses ilegais e arranjos sorrateiros da marginalidade mais hedionda. A materialidade das transgressões monumentais de Lula é do conhecimento até do mundo mineral. Tal como a série infindável de crimes de responsabilidade do Messias Bolsonaro, mito que bota pra quebrar, faz e acontece à revelia da Lei, no sobranceiro atrevimento de quem se considera inimputável.

E os senhores magistrados relevam os abusos dos dois! Destamparam o bolor e liberaram o odor fétido de uma contenda sem sentido. Não há leigo ou conhecedor de causa que endosse tais práticas e mirabolantes saídas. Estaríamos irremediavelmente condenados ao desfecho fatídico de escolher entre o péssimo e o pior? Talvez não. Claro, a maioria dos cidadãos está plenamente convencida de que o Brasil não se encontra hoje como a Inglaterra do imediato pós-guerra, vivendo a vigília de um fatídico embate eleitoral entre Winston Churchill e Clement Attlee.

Quem nos dera! Optar entre o ótimo e o bom. Naturalmente, o Brasil não é a Inglaterra; e não é, também, sequer a Itália, recém-saída da treva fascista, indo às urnas para viver o dia luminoso da democracia reconquistada. A próxima eleição majoritária, por aqui, nos reserva desafios inigualáveis. Uma batalha travada entre os dois prepostos de Minotauro, de democrática não tem coisa alguma. O candidato Bolsonaro tem o respaldo do sonho continuísta de um grupo de senhores, alguns feudais, que não querem largar o poder aviltado por eles mesmos. Tem o respaldo da sua própria obstinação, da sua empáfia, da sua clamorosa falta de senso de correção, da sua peculiar capacidade de conceber a coisa pública como privada — quer dizer, de sua exclusiva e plenipotenciária propriedade, dos filhos e mais chegados. Tem o respaldo de uma fatia exígua da sociedade que supõe ser a vida uma espécie de assalto diário aos interesses da maioria desvalida. Tem o respaldo de certas zonas de ignorância e dos recalques pequeno-burgueses, esses que, em outros tempos e em outros cantos, geraram o fascismo.

O candidato Lula, por sua vez, tem o respaldo de tudo mais dos crentes na impunidade, sem contar — e isso pesando inexpugnavelmente contra — a habilidade administrativa em maquiar desvios. O demiurgo de Garanhuns representa o sistema velho de guerra do assistencialismo, do clientelismo tolo e perverso, do mau humor nas ruas, do fracasso rotundo de 16 anos de prepotência petista, um governante venal que sobressai dos escombros de um pseudopartido dos trabalhadores. É preciso a busca incessante e coletiva por uma opção de centro, equilibrada e sensata, separando o joio do trigo, que nos livre do turbilhão de incertezas desses salvadores da pátria, messiânicos, aloprados.

É vital a reintrodução no teorema eleitoral de uma alternativa civilizatória contra o caos imoral dos arrivistas de plantão. A disputa, como se vê, é desigual e ambígua. Não se pode pender tanto nem a um lado, nem ao outro. O desequilíbrio pode levar a ameaças distintas, ao ralo do obscurantismo em ambas as direções.

Aqui, no Brasil, sobreleva a forte impressão de que as prioridades reais foram deixadas, lamentavelmente, de lado. O País encanta-se e mergulha na rinha animalesca do Bolsopetismo, enquanto milhares morrem — mais de dois mil ao dia — em uma pandemia implacável que lateja como dor dilacerante entre vítimas, familiares e conhecidos, a lembrar que nenhum desses Minotauros está nem aí para a sobrevivência de cada um. Encaram os brasileiros como meras presas, inebriadas, facilmente seduzidas por lorotas, que deveriam estar atrás do único antídoto eficiente para todo esse mal: as vacinas redentoras. Brasileiros, acordem do estupor político! Sem imunizantes, no futuro, como diria o Lord John Maynard Keynes, estaremos todos mortos. 

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três

 

Assembleia ou Câmara? Ex-prefeitos cearenses se movimentam para continuar na vida pública em 2022

Ainda que não admitam diretamente, políticos derrotados ou que passaram o comando do Executivo para aliados em cidades do Ceará nas eleições de 2020 já pensam no que fazer para garantir vaga na Assembleia Legislativa ou na Câmara dos Deputados na disputa do ano que vem. Faltando mais de um ano para o início oficial da campanha, já fervem nos bastidores articulações visando a composição da futura bancada de parlamentares. Alguns ponderam, no entanto, que o momento também é de priorizar o combate à pandemia de Covid-19 no Estado.

Dividir colégios eleitorais com aliados, considerar o capital político angariado nas últimas eleições e estabelecer a posição dos partidos entre base e oposição são algumas tratativas atuais. Observando a base de apoio, ex-prefeitos e ex-candidatos investirão em fortalecer seus territórios, e isso passa pela articulação feita diretamente em municípios estratégicos. 

Entre os agentes políticos que já articulam bases eleitorais, movimentam aliados e discutem a composição das legendas, estão os ex-prefeitos de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra (PTB); de Caucaia, Naumi Amorim (PSD); Firmo Camurça (PSDB), de Maracanaú; Argemiro Sampaio (PSDB), de Barbalha, e Ilário Marques (PT), de Quixadá. Oscar Rodrigues (MDB), candidato derrotado na disputa pela Prefeitura de Sobral em 2020, também está de olho em 2022. DIARIONORDESTE.

Racha no Novo vai além de conflitos por impeachment e oposição a Bolsonaro

José Fucs, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2021 | 05h00

O dia 12 de fevereiro de 2021 tinha tudo para ser comemorado com pompa pelo partido Novo. Fundado pelo financista João Amoêdo e por mais 180 apoiadores sem experiência política, para lutar pelo liberalismo econômico e pela moralização da vida pública, o Novo completava 10 anos de vida.

Mesmo com um desempenho que deixou a desejar no pleito municipal de 2020, no qual elegeu apenas 29 vereadores e um prefeito (Joinville-SC) em todo o País, e com uma queda de 15% no número de filiados no ano passado, de 48.429 para 41.218, não faltavam motivos para celebrar a data.

Único partido a não usar recursos dos pagadores de impostos para sobreviver e financiar as suas campanhas, o Novo tem, hoje, além dos representantes municipais, o governador de Minas Gerais, 8 deputados federais, 12 deputados estaduais e um deputado distrital.

João Amoedo partido novo
Ex-presidente do Partido Novo, João Amoêdo. Foto: João Allbert/ Futura Press (26/06/2019)

Em 2018, nas eleições para a Presidência, as primeiras que o Novo disputou, Amoêdo ficou em quinto lugar, com quase 2,7 milhões de votos, o equivalente a 2,5% do total, à frente de nomes tarimbados, como o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB), a ex-senadora Marina Silva (Rede), o senador Álvaro Dias (Podemos) e o ativista Guilherme Boulos (PSOL).

Mas, exceto por um comunicado oficial no site do partido e algumas manifestações acanhadas nas redes sociais, o aniversário que marcava sua primeira década de atividade passou praticamente em branco – e não só por causa das restrições impostas pela pandemia. O Novo vive uma guerra fratricida e a sua maior crise desde a fundação, em 2011. "O partido passa por um momento delicado, muito delicado", diz um dos principais doadores do Novo, que prefere se manter na sombra.

Leia mais:Racha no Novo vai além de conflitos por impeachment e oposição a Bolsonaro

Compartilhar Conteúdo