Busque abaixo o que você precisa!

Principais erros e acertos dos candidatos no primeiro debate

Alberto Bombig, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2018 | 09h36

primeiro debate entre os candidatos à Presidência da República das eleições 2018 trouxe poucas ideias e projetos para o futuro do País. Confira na análise abaixo a avaliação da participação de cada um dos presidenciáveis. 

Jair Bolsonaro (PSL)

Errou ao tentar minimizar o duro ataque desferido contra ele por Guilherme Boulos, que o chamou de "racista" e "homofóbico", além de questionar seu desempenho como parlamentar e o uso do auxílio-moradia mesmo tendo imóvel próprio; num debate, deixar acusações graves sem uma resposta peremptória tende a ser nocivo no longo prazo.

Acertou em priorizar seu público, insistindo na crítica à corrupção e ao PT. 

Leia mais:Principais erros e acertos dos candidatos no primeiro debate

Primeiro debate da eleição 2018 reúne 8 presidenciáveis por mais de 3 horas na TV

Oito candidatos à Presidência da República participaram na noite desta quinta-feira (9) de um debate na TV Bandeirantes. O debate durou 3 horas e 13 minutos e terminou na madrugada desta sexta (10).

Por sorteio, os candidatos ficaram posicionados na seguinte ordem (da esquerda para a direita): Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Jair Bolsonaro (PSL), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Ciro Gomes (PDT).

Antes do início do debate, o mediador Ricardo Boechat informou que a organização convidou o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso. Mas ele foi impedido pela Justiça de participar.

Durante o encontro, os postulantes apresentaram propostas sobre emprego, educação, segurança pública, desenvolvimento, juros, aborto, entre outros pontos.

Leia mais:Primeiro debate da eleição 2018 reúne 8 presidenciáveis por mais de 3 horas na TV

Para onde correm os candidatos

*FERNANDO GABEIRA, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2018 | 03h00

Tive a oportunidade de conhecer as posições de alguns candidatos à Presidência ao participar de uma sabatina. Tentarei um projeto, como realizei nas eleições passadas, de entrevistar todos os outros, independentemente da pontuação em pesquisa. De um ponto de vista jornalístico, é interessante saber o que se passa na cabeça de alguém que decide ser candidato num momento tão complicado no País. Mais do que ninguém, tenho dúvidas sobre o futuro do próximo presidente, sobretudo a partir de uma quase certeza de que a renovação do Congresso será modesta.

Minha visão da conjuntura recomenda algo que chamo, brincando, de catastrofismo emancipatório, expressão que o sociólogo Ulrich Beck usa diante das mudanças climáticas. Isso significa deixar de apenas falar do desastre, mas encarar a situação com a clareza de que o dilema é cooperar ou morrer.

Creio que a esquerda também conta com uma grande crise adiante. Mas ela se fragmentou e parece ter se resignado a perder as eleições e ressurgir adiante como alternativa. Se for isso mesmo, é um equívoco. Não creio que uma próxima crise possa ser vista como um movimento de gangorra que alterne forças esgotadas do sistema político-partidário. Um período PSDB, outro período PT, como se a sucessão no poder fosse natural como o ritmo das estações de ano.

Leia mais:Para onde correm os candidatos

Metade dos eleitores brasileiros deve usar biometria para votar nas eleições de 2018

Metade do eleitorado brasileiro será identificado por biometria nas eleições de 2018, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). São 73,7 milhões de eleitores, ou 50% de todas as pessoas aptas a votar no país.

Em 2014, ano das últimas eleições presidenciais, o total de eleitores com identificação digital em municípios com reconhecimento biométrico era de 21,7 milhões de pessoas, ou 15,2% do eleitorado.

Mais de 87 milhões de eleitores têm o cadastro biométrico atualmente no Brasil (60% do eleitorado). Parte dessas pessoas, porém, está em cidades que não terão o reconhecimento das digitais disponível para as eleições deste ano. Por isso, o número total de eleitores com o cadastro é maior que o número de pessoas que vão votar usando biometria.

Leia mais:Metade dos eleitores brasileiros deve usar biometria para votar nas eleições de 2018

Bolsonaro é poupado e Alckmin fica na berlinda

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2018 | 01h37

O temor demonstrado antes do debate da Band pelas assessorias dos candidatos se manifestou no palco: nenhum dos principais candidatos à Presidência confrontou pesadamente Jair Bolsonaro, líder nas pesquisas, quando teve oportunidade.

O único a questioná-lo em tom mais incisivo foi Guilherme Boulos, que, por ser do PSOL, representante da extrema-esquerda, é rechaçado pelo eleitorado bolsonarista. Ser confrontado por ele, portanto, reforça as posições de Bolsonaro junto aos que o apoiam.

Leia mais:Bolsonaro é poupado e Alckmin fica na berlinda

Compartilhe