Busque abaixo o que você precisa!

Datafolha para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 55%; Haddad, 45%

O Datafolha divulgou neste sábado (27) o resultado da última pesquisa do instituto sobre o 2º turno da eleição presidencial. O levantamento foi realizado na sexta-feira (26) e no sábado (27) e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

O instituto afirma que, um dia antes da eleição, Jair Bolsonaro (PSL), mantém o favoritismo, mas a diferença dele para Fernando Haddad (PT) diminuiu de 18 para 10 pontos percentuais, em nove dias, nos votos válidos.

A probabilidade de os resultados retratarem a realidade é de 95%, com margem de erro de dois pontos, para mais ou para menos.

Leia mais:Datafolha para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 55%; Haddad, 45%

Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 54%; Haddad, 46%

O Ibope divulgou neste sábado (27) a última pesquisa do instituto sobre a intenção de voto para o 2º turno da eleição presidencial. Segundo o instituto, Jair Bolsonaro (PSL) venceria se eleição fosse hoje. Mas a distância dele para Fernando Haddad (PT) diminuiu.

Vamos ver agora a pesquisa com os votos válidos, que excluem os brancos, nulos e o percentual de eleitores indecisos. Um candidato é eleito no segundo turno se conseguir cinquenta por cento dos votos válidos mais um voto.

A probabilidade de os resultados retratarem a realidade é de noventa e cinco por cento, com margem de erro de dois pontos - para mais ou para menos.

Leia mais:Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 54%; Haddad, 46%

Redução de vantagem e sinais do Sudeste prometem moderar a onda Bolsonaro

Igor Gielow / FOLHA DE SP
 
SÃO PAULO

A onda de direita que varreu o Brasil no primeiro turno, há paleolíticos 20 dias, perdeu um pouco de sua tração na véspera da decisão da eleição mais conturbada desde a redemocratização de 1985.

Claro, o Congresso com novo perfil está eleito e Jair Bolsonaro (PSL)está com as duas mãos na faixa presidencial. Mas a sinalização de um eleitorado polarizado é visível, pelo que apontam as pesquisas do Datafolha divulgadas neste sábado (27).

Os dez pontos que o Datafolha indica de vantagem ao capitão reformado do Exército são confortáveis, sujeitos apenas a uma onda que as curvas até aqui não permitem antever. Mas é a menor distância entre os dois candidatos neste segundo turno, e poderá ser ainda mais encurtada neste domingo (28).

Leia mais:Redução de vantagem e sinais do Sudeste prometem moderar a onda Bolsonaro

Nova República começou com camisetas amarelas e com elas se encerra

Esta semana acumula dois dias dos mortos. A sexta-feira (2) evocará quem já se foi. Este domingo (28) enterra um sonho.

Os sinos anunciam a morte da quimera, a democracia socialmente justa. Começada com camisetas amarelas, a Nova República com elas se encerra. As de 1984 diziam: "Eu quero votar pra presidente". As de agora estampam a justiça divina e a pátria no lugar da igualdade e da liberdade.

Os perdedores dos anos 1980 aceitaram seu papel constitucional e se recolheram aos quartéis. Aos de 2018, o provável eleito escancarou outras portas: a prisão e o exílio. São as mesmas de 1964.

Por muito tempo tentaremos entender como o sonho azedou em pesadelo. Circula leitura na linha da entrada das massas na política. Gente ignorante e ressentida, de pulsões destruidoras.

A hipótese não é nova, reaparece em todas as crises, no final do século 19, nos anos 1920, nos 1940, nos 1960. E não é boa. A dimensão psicossocial tem sua relevância, mas massa xinga, quebra, lincha, não faz política institucional.

Para vencer uma eleição presidencial é preciso método, recurso e, sobretudo, capacidade de coordenação de elites sociais. A candidatura de Bolsonaro não se assenta em massa invertebrada. Desde seu lançamento, dois anos atrás, o deputado-capitão logrou inserção sólida em setores organizados.

Leia mais:Nova República começou com camisetas amarelas e com elas se encerra

PT tem pior desempenho desde 1989, diz diretor do Datafolha; assista

Com 45% dos votos válidos, o PT atinge o seu pior desempenho em pesquisas de véspera de segundo turno desde 1989, apontou o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino.

Desde 2002, há uma queda constante na intenção de voto nos candidatos petistas nesta etapa da corrida. Ficou em 61% em 2002 e 2006, foi para 57% em 2010 e 52% em 2014.

“Se Fernando Haddad (PT) não conseguir mais votos do que tem hoje até amanhã, o PT pode voltar aos 47% que obteve em 1989”, disse Paulino.

Leia mais:PT tem pior desempenho desde 1989, diz diretor do Datafolha; assista

Compartilhe