Busque abaixo o que você precisa!

Veja resultados das últimas pesquisas nas capitais do país na véspera do 2º turno

Julia Lindner e Natália Portinari / O GLOBO

 

BRASÍLIA - Em 18 capitais, o prefeito será definido no segundo turno das eleições municipais neste domingo (29). Confira abaixo os resultados das últimas pesquisas do Ibope e Datafolha nas cidades.

 

Norte

Belém

Os candidatos são Edmilson Rodrigues (PSOL) e Delegado Eguchi (Patriota). Em pesquisa Ibope divulgada no último sábado (21), o primeiro tinha 52% das intenções de votos válidos e o segundo, 48%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, o que significa que os candidatos estão empatados. O registro da pesquisa na Justiça Eleitoral é PA-08277/2020.

Boa Vista

Em pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (26), o candidato Arthur Henrique (MDB) tem 79% das intenções de votos válidos e Ottaci (Solidariedade) tem 21%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais para cima ou para baixo. O número de registro é RR-07926/2020.

Manaus

Em pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (27), Amazonino Mendes (Podemos) tem 48% das intenções de votos válidos e David Almeida (Avante), 52%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, então os candidatos estão tecnicamente empatados. O número de registro da pesquisa é AM-1680/2020.

Leia:Candidatos gastam R$36 milhões com impulsionamentos, e Facebook lidera lista de fornecedores nesta eleição

Porto Velho

O atual prefeito, Hildon Chaves (PSDB), tem 60% das intenções de votos válidos, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (27). Ele disputa com Cristiane Lopes (PP), com 40%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais. O registro da pesquisa na Justiça eleitoral é RO-09943/2020.

Rio Branco

Na última pesquisa Ibope, divulgada nesta quinta-feira (26), Tião Bocalom (PP) está com 65% das intenções de votos válidos. Socorro Neri (PSB), atual prefeita, tem 35%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais e o registro na Justiça eleitoral é AC-07824/2020.

 

Nordeste

Aracaju

O atual prefeito, Edvaldo Nogueira (PDT), é o favorito na disputa contra Delegada Danielle (Cidadania). Pesquisa Ibope divulgada na quinta-feira (26) mostra Edvaldo (PDT) com 62% das intenções de votos válidos, enquanto Danielle tem 38%. O registro da pesquisa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é SE05996/2020. Edvaldo, que busca o quarto mandato na capital sergipana, foca sua campanha em feitos de sua gestão e diz ter transformado a cidade “num canteiro de obras”. Já Danielle tem como principal foco o combate à corrupção e a importância de a população eleger uma mulher para a prefeitura.

Saiba maisMP Eleitoral denuncia Crivella por difamação e propaganda falsa após panfletos contra Paes e PSOL

Fortaleza 

Pesquisa Ibope divulgada na última segunda-feira mostra José Sarto (PDT), presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, na liderança, com 60% dos votos válidos, enquanto o deputado federal Capitão Wagner (PROS) tem 40%. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número PB-09276/2020. Para o segundo turno, Sarto recebeu apoio de siglas como PT e do PV, partidos que ficaram na terceira e quinta colocação na primeira etapa da eleição. Ele também tem o apoio do governador do Estado, Camilo Santana (PT), dos irmãos Cid e Ciro Gomes (PDT), além do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Capitão Wagner, que foi o deputado federal mais votado do estado em 2018, conta com o apoio do senador Eduardo Girão (Pros-CE) e do presidente Jair Bolsonaro.

João Pessoa

Pesquisa Ibope divulgada na terça-feira (23) mostra o ex-governador e ex-prefeito Cícero Lucena (PP) como favorito para vencer a disputa em segundo turno contra Nilvan Ferreira (MDB). Lucena tem 55% dos votos válidos, enquanto Ferreira tem 45%. A margem de erro é de quatro pontos percentuais para mais ou para menos. O número de identificação da pesquisa é PB-09276/2020.

Maceió

Pesquisa Ibope divulgada na sexta-feira (27), dois dias antes da eleição, indica que o candidato JHC (PSB) tem 57% das intenções de votos válidos, 15 pontos percentuais à frente ded Alfredo Gaspar de Mendonça (MDB). O registro da pesquisa no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é AL 01363/2020. JHC é apoiado pelo senador Rodrigo Cunha (PSDB), nome que surpreendeu em 2018 ao ser o mais votado para o Senado. Gaspar de Mendonça tem o apoio do senador Renan Calheiros (MDB-AL), do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), e do atual prefeito da cidade, Rui Palmeira (sem partido).

Confira:PSOL quer saber se panfletos com fake news de Crivella foram pagos com fundo eleitoral

Recife

Em disputa acirrada, João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT), que são primos, estão empatados tecnicamente a poucos dias da eleição. Pesquisa Ibope divulgada na quinta-feira (26) mostra que João tem 51% dos votos válidos, enquanto Marília tem 49%. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento está registrado no Tribunal Superior de Justiça (TSE) como PE-04600/2020.

São Luís

De acordo com pesquisa Ibope divulgada na noite desta sexta-feira (27), Eduardo Braide (Podemos) possui 54% das intenções de votos válidos, enquanto Duarte Júnior (Republicanos) tem 46%. O número de identificação da pesquisa junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é MA05555/2020. No segundo turno, Duarte recebeu o apoio do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). A base do governador rachou na eleição para a prefeitura de São Luís e parte dos seus aliados decidiram apoiar Eduardo Braide, como o deputado estadual Neto Evangelista (DEM), ex-secretário de Dino, que teve 16,2% dos votos no primeiro turno.

Teresina

O candidato Dr. Pessoa (MDB) lidera com folga a corrida pela prefeitura de Teresina (PI), com 65% das intenções de votos válidos, segundo pesquisa Ibope divulgada na última segunda-feira. A pontuação representa quase o dobro das intenções de voto que possui o seu adversário, o candidato Kleber Montezuma (PSDB), que tem 35%. O número de identificação da pesquisa é PI 00826/2020. Dr. Pessoa tem o apoio do vice-presidente da República, Hamilton Mourão. Já o tucano Kleber Montezuma (PSDB), em segundo lugar nas pesquisas, tem o endosso do neobolsonarista Ciro Nogueira, presidente do PP.

Centro-Oeste

Cuiabá

O atual prefeito, Emanuel Pinheiro (MDB), tem 50% das intenções de votos válidos, assim como Abílio Júnior (Podemos), segundo pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (27). O registro da pesquisa é MT-09681/2020 e a margem de erro é de quatro pontos percentuais.

 

Sudeste

Rio de Janeiro

Em pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (26), o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) tem 70% das intenções de votos válidos, excluindo nulos e brancos. Seu adversário, o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), tem 30%. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos e o registro da pesquisa na Justiça eleitoral é RJ-03404/2020.

São Paulo

O atual prefeito, Bruno Covas (PSDB), vai disputar o 2º turno com Guilherme Boulos (PSOL). Em pesquisa Datafolha divulgada na última quinta-feira (26), o primeiro tem 54% das intenções de votos válidos e o segundo, 46%. A margem de erro é de três pontos percentuais e o registro na Justiça Eleitoral, SP-09865/2020.

Vitória

Em pesquisa Ibope divulgada na última segunda-feira, Delegado Pazolini (Republicanos tem 53% das intenções de votos válidos e João Coser (PT), 47%. Como a margem de erro é de quatro pontos percentuais, os candidatos estão tecnicamente empatados. O registro da pesquisa na Justiça eleitoral é ES-05907/2020.

Sul

Porto Alegre

O candidato Sebastião Melo (MDB) lidera a disputa à prefeitura de Porto Alegre com 54% dos votos válidos, segundo pesquisa Ibope divulgada na terça-feira. Sua adversária, Manuela D'ávila, tem 46%. A pesquisa está identificada na Justiça Eleitoral como RS-03118/2020.

A reeleição dos prefeitos - O Estado de S.Paulo

O País tem 5.570 municípios e, neste ano, 3.510 prefeitos tentaram a reeleição. Segundo dados da Justiça Eleitoral compilados pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), dos prefeitos que tentaram a reeleição, 2.237 foram reeleitos no primeiro turno. Assim, a taxa de sucesso de reeleição foi de 63,73%.

Com exceção das eleições de 2016, quando menos da metade dos prefeitos que concorreram a um segundo mandato obteve êxito (49,48%), o porcentual de sucesso de quem tentou a reeleição vem se mostrando incrivelmente estável ao longo dos anos. Em 2012, essa taxa foi de 62,53%; em 2008, 62,51%; em 2004, 60,77%; e em 2000, 61,92%. 

Esses números ajudam a desmitificar a ideia, muitas vezes repetida, de que o instituto da reeleição produziria uma incorrigível situação de desequilíbrio na disputa eleitoral e, portanto, deveria ser extinto. As taxas de sucesso de reeleição nos últimos seis pleitos municipais mostram que a reeleição está longe de ser um fenômeno automático. Muitos prefeitos tentam se reeleger e não conseguem. Neste ano, por exemplo, 1.255 prefeitos tentaram mais quatro anos de mandato e foram derrotados no primeiro turno. Dezoito ainda concorrem no segundo turno a mais um mandato.

O fato de que a taxa média de sucesso de reeleição seja acima de 50% também não revela, por si só, desequilíbrio estrutural da disputa. É natural que candidatos que buscam a reeleição sejam mais conhecidos e tenham uma prévia relação de confiança ao menos com parte da população. O importante é que a rejeição do prefeito que tenta a reeleição não é uma hipótese remota. Na média dos últimos seis pleitos, a taxa de insucesso esteve em torno de 40%. Ou seja, o eleitor dispõe de fato de liberdade para não conceder um segundo mandato.

Ante esses porcentuais, é interessante notar também que eventual exclusão do instituto da reeleição tiraria do eleitor uma opção que ele tem exercido na maioria das vezes. Vale lembrar que apenas em 2016 a taxa de sucesso de reeleição de prefeitos foi inferior a 50%. Os números indicam, assim, que o cidadão aprecia a possibilidade de conceder ao governante mais quatro anos no cargo.

Nada disso, obviamente, significa ignorar o mau uso que alguns políticos fizeram ou fazem da possibilidade de reeleição, desvirtuando o exercício do poder, que fica excessivamente condicionado pela questão eleitoral desde o início do primeiro mandato. É o que se vê, por exemplo, com o presidente Jair Bolsonaro. Antes de completar dois anos de governo, sua atuação já está inteiramente voltada para a reeleição. Trata-se do mesmo vício que manchou os mandatos inaugurais de Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Mas o problema não decorre do instituto da reeleição, e sim do seu mau uso. Não é por acaso que a possibilidade de reeleição está presente na legislação eleitoral de muitos países. De forma recorrente, constatam-se efeitos muito positivos causados pelo instituto da reeleição, que permite, por exemplo, maior continuidade na implantação de propostas políticas, maior liberdade de escolha para o eleitor e maior responsabilidade para os políticos.

A Emenda Constitucional (EC) 16/1997, que permitiu a reeleição do presidente da República, governadores e prefeitos, para um único mandato subsequente, não foi, portanto, um passo irrefletido ou um movimento meramente circunstancial. Ao reconhecer que dificilmente um programa de governo pode ser implementado em um único período de quatro anos, ela concedeu maior liberdade ao eleitor. E, como mostram os porcentuais de reeleição dos prefeitos, essa possibilidade vem sendo exercida pelo eleitorado com razoável constância.

A legislação eleitoral tem muitos defeitos, que devem ser corrigidos por meio de uma ampla reforma política. Mas não podem ser ignorados os pontos positivos da lei vigente, como também não se deve achar, por princípio, que o eleitorado é ingênuo ou ignorante. Ele sabe discernir quando a reeleição é a opção mais responsável, a trazer mais esperança.

Pesquisa Ibope para 2º turno em Caucaia, votos válidos: Naumi Amorim tem 62%; Vitor Valim, 38%

primeira pesquisa Ibope para o 2º turno das eleições à Prefeitura de Caucaia, contratada pelo Diário do Nordeste e divulgada nesta quinta-feira (26), aponta Naumi Amorim (PSD) com 62% dos votos válidos, enquanto Vitor Valim (Pros) está com 38%.

Entenda: os votos válidos correspondem à proporção de votos do candidato sobre o total de votos, excluídos os votos brancos, nulos e indecisos.

Seguem os números:

Números da Pesquisa Estimulada (Votos Válidos)

  • Naumi Amorim (PSD): 62%
  • Vitor Valim (Pros): 38%

Números da Pesquisa Estimulada (Votos Totais)

Considerando os votos totais, o candidato do PSD tem 52% da preferência do eleitorado, enquanto o postulante do Pros acumula 32% das intenções do voto.

  • Naumi Amorim (PSD): 52%
  • Vitor Valim (Pros): 32%
  • Brancos/Nulos: 11%
  • Não sabe/Não respondeu: 4%

A soma dos percentuais pode não totalizar 100% em decorrência de arredondamentos, conforme divulgado pelo Ibope.

A pesquisa foi encomendada pelo Diário do Nordeste e registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) com o número CE-05393/2020. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

O Ibope ouviu 805 eleitores entre 23 e 25 de novembro.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isto quer dizer que a probabilidade de os resultados retratarem o atual momento eleitoral é de 95%, considerando a margem de erro.

As iminentes derrotas de Manuela e Boulos vão soterrar a cantilena das redações esquerdistas

Jornalistas ‘esquerdopatas’, que se aglomeram nas redações da ‘mídia do ódio’, usam a ida de Manuela e Guilherme Boulos para o segundo turno, como “muleta” para criar a absurda cantilena de que a esquerda venceu o pleito municipal de 2020.

Na realidade, sob qualquer análise lúcida e honesta, os partidos de esquerda sofreram uma fragorosa e impiedosa derrota.

Os números não mentem. Foram derrotados em quase todo o país.

O PT, por exemplo, maior partido de esquerda, que em 2012 acumulou 644 vitórias, e caiu para 256 em 2016, em 2020 ficou com apenas 179. E não venceu em nenhuma capital.

A novidade, o PSOL, que elegeu 2 prefeitos em 2016, teve um crescimento ‘nanico’. Desta vez, elegeu 4. A 'piada', matematicamente correta, é que teve um crescimento de 100%.

O fato é que os números de prefeituras administradas pela esquerda, caiu drasticamente.

Porém, estrategicamente, a esquerdalha se agarra na ida dos extremistas, Manuela e Boulos, para o 2º turno como tábua de salvação para o discurso ‘vitorioso’.

A derrota da dupla vai soterrar mais esta ‘mentira’.

Gonçalo Mendes Neto. Jornalista. jornal cidade on line

Ibope indica que Paes está 25 pontos à frente de Crivella

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

 

RIO – O candidato à prefeitura do Rio de Janeiro pelo DEM, Eduardo Paes, está 25 pontos porcentuais à frente de seu concorrente, o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), na corrida pela prefeitura, segundo apontou pesquisa divulgada pelo Ibope na noite desta quarta-feira, 25. Segundo o instituto, Paes tem 53% das intenções de voto, ante 28% de Crivella; 16% dos eleitores consultados declararam que votariam em branco ou nulo e 3% não quiseram ou não souberam dizer. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos.

LEIA TAMBÉM

'Pedofilia', 'pai da mentira', 'kit gay', 'trairagem': a disputa do segundo turno no Rio

'Pedofilia', 'pai da mentira', 'kit gay', 'trairagem': a disputa do segundo turno no Rio

ctv-w9w-crivella-eduardo-paes
Marcelo Crivella (Republicanos) e Eduardo Paes (DEM) disputam a Prefeitura do Rio de Janeiro Foto: Tomaz Silva/Agência Estado e Marcos de Paula/Estadão

Essa foi a primeira pesquisa divulgada após o início da propaganda eleitoral gratuita, que começou a ser veiculada na sexta-feira, 20. Na pesquisa anterior, há exatamente uma semana, Paes tinha os mesmos 53%, e Crivella registrava 23% – ele cresceu cinco pontos porcentuais, portanto. Os votos nulos ou em branco eram 21% – diminuíram cinco pontos porcentuais, exatamente o índice conquistado por Crivella. Os eleitores que não souberam ou não quiseram dizer eram 2% – agora, um ponto porcentual a mais.

No primeiro turno, Paes ficou em primeiro, com 37%, enquanto Crivella foi o segundo e obteve 21,9% dos votos. Os votos brancos e nulos representaram 19,23% do total.

O Ibope ouviu 1.001 eleitores do Rio de Janeiro nos dias 23 a 25 de novembro. A pesquisa foi contratada pela TV Globo e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o protocolo RJ-02253/2020. O nível de confiança estimado é de 95%, ou seja, o levantamento tem 95% de chance de representar a realidade.

Compartilhar Conteúdo