Busque abaixo o que você precisa!

Em busca de feito raro, Haddad depende dos pêndulos da classe média

Mauro PaulinoAlessandro Janoni
SÃO PAULO

primeira pesquisa referente ao segundo turno da eleição presidencial divulgada nesta quarta-feira (10) pelo Datafolha reflete a redistribuição inicial do eleitorado depois do pleito do último domingo (7). Jair Bolsonaro mantém, em votos válidos, distância equivalente à que obteve no primeiro turno para Fernando Haddad (PT).

A vantagem de 16 pontos percentuais, com 58% dos votos válidos logo no primeiro levantamento, ganha especial valor simbólico quando se observam os históricos de eleições anteriores.

O único candidato a conseguir uma taxa mais elevada do que a do capitão reformado já no primeiro estudo foi Lula em sua vitória de 2002 —o petista começou a disputa com 64% dos votos válidos contra 36% de José Serra (PSDB) e foi eleito com 61%.

Em todas as outras, a diferença entre o primeiro levantamento e o resultado oficial foi de até três pontos percentuais, o que sugere pouco espaço para grandes variações ao longo desta fase do processo.

Leia mais:Em busca de feito raro, Haddad depende dos pêndulos da classe média

Datafolha mostra Bolsonaro com 58% e Haddad, 42%, na largada do 2º turno

Igor Gielow
SÃO PAULO

Na primeira pesquisa do Datafolha sobre o segundo turno das eleições presidenciais, Jair Bolsonaro (PSL) tem ampla vantagem sobre Fernando Haddad (PT). O deputado tem 58% dos votos válidos, enquanto o ex-prefeito paulistano conta com o apoio de 42% dos ouvidos.

A contagem, que exclui os brancos, nulos e indecisos como a Justiça Eleitoral faz no dia da eleição, confirma a onda conservadora que quase deu a vitória em primeiro turno ao presidenciável do PSL. No primeiro turno, Bolsonaro teve 46% dos votos válidos e Haddad, 29%.

Leia mais:Datafolha mostra Bolsonaro com 58% e Haddad, 42%, na largada do 2º turno

PT troca ‘nós contra eles’ por ‘todos contra ele’

O PT chega ao segundo turno da eleição presidencial um pouco como o personagem da anedota, que mata pai e mãe e, no dia do julgamento, pede misericórdia com um pobre órfão. O PT quer a compreensão de todos para formar uma “frente democrática” de combate a Bolsonaro, personagem que o partido mesmo ajudou a criar com suas cleptogestões e seus pendores hegemônicos. A diferença entre o PT e o ''órfão'' da piada é que o PT deseja que o perdoem sem pedir perdão

Leia mais:PT troca ‘nós contra eles’ por ‘todos contra ele’

‘Mar não está para peixe’ para usar vermelho, avaliam marqueteiros

Para o segundo turno, a estética do material de campanha de Fernando Haddad mudou. Na logomarca adotada a partir desta quarta-feira, a referência ao nome de Lula sumiu, e o nome de Haddad não está mais escrito em vermelho, e sim em verde, amarelo e azul. Uma pequena estrela na perna do último "A", branca, simboliza ali uma espécie de fantasma do símbolo tradicional do PT.

Para Paulo de Tarso, marqueteiro de Lula em 1989 e 1994 e criador do “Lula Lá”, não há surpresa na adoção das cores da bandeira do Brasil. Segundo ele, o PT costuma abrir mão do vermelho conforme andam os ânimos do país.

Leia mais:‘Mar não está para peixe’ para usar vermelho, avaliam marqueteiros

Pesquisa Veja/BigData: Bolsonaro tem 54%, Haddad, 46%

Na primeira pesquisa eleitoral do segundo turno, o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) lidera a corrida pelo Palácio do Planalto com 54% das intenções de votos válidos. O petista Fernando Haddad tem 46%. O levantamento foi feito pela consultoria de pesquisa Ideia Big Data em parceria com VEJA.

A pesquisa ouviu presencialmente 2.036 eleitores das cinco regiões do país entre a última segunda e esta quarta-feira. A margem de erro é de 2,67% pontos percentuais para mais ou para menos. O número de registro no TSE é BR-09687/2018. (…)

Na VEJA.com.

Compartilhe