Busque abaixo o que você precisa!

Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro

Metodologia

Curitiba, 20 de Julho de 2018 Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Estado do Rio de Janeiro, com o objetivo de consultar à população sobre a situação eleitoral para o Executivo Federal e avaliação da administração Federal.

 

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: O universo desta pesquisa abrange os eleitores do Estado do Rio de Janeiro. Para a realização desta pesquisa foi utilizada uma amostra de 1.860 eleitores, sendo esta estratificada segundo sexo, faixa etária, grau de escolaridade e nível econômico. O trabalho de levantamento de dados foi feito através de entrevistas pessoais com eleitores com 16 anos ou mais em 46 municípios durante os dias 14 a 19 de julho de 2018, sendo auditadas simultaneamente à sua realização em 20,0% das entrevistas.

Leia mais:Pesquisa de Opinião Pública Estado do Rio de Janeiro

Análise: As semelhanças entre as chapas de Alckmin 2018 e Lula 2002

BRASÍLIA - As conversas por apoio na disputa presidencial entram na fase final. O tucano Geraldo Alckmin, que, até o momento, parece ter conseguido atrair uma sopa de letrinhas, cada vez mais desenha uma chapa à la Lula 2002 ou Dilma 2010. Dá sinais de que prefere correr o risco de ver seu nome associado a partidos do mensalão e outros escândalos, do que perder espaço no horário eleitoral.

Leia mais:Análise: As semelhanças entre as chapas de Alckmin 2018 e Lula 2002

Bolsonaro é fenômeno com calcanhares de vidro

O que é um fenômeno? Um deputado de ultradireita não é um fenômeno. O endeusamento de Donald Trump não é um fenômeno. Pesquisa eleitoral não é um fenômeno. Fenômerno é um apologista de Trump liderar as pesquisas presidenciais no Brasil recitando teses de ultradireita. Com a aclamação de sua candidatura pelo raquítico PSL, neste domingo, Jair Bolsonaro consolida-se como grande surpresa da temporada eleitoral de 2018. Mas o fenômeno, indica o Datafolha, tem calcanhares de vidro que dificultam sua caminhada até o Palácio do Planalto.

Leia mais:Bolsonaro é fenômeno com calcanhares de vidro

PT e Alckmin podem duelar, mas sem debater combate à corrupção

Os protagonistas das duas principais convenções presidenciais realizadas até agora são opostos ideologicamente e compartilham o sentimento de isolamento partidário e de perspectiva de competitividade.

Esnobado pelo centrão, Ciro Gomes modulou de última hora seu discurso na sexta (20), buscando um clima de paquera com setores da esquerda indefinida, sobretudo o PSB.

Rejeitado pelo PR, Bolsonaro nada apresentou de novo no evento do PSL no Rio que o lançou oficialmente ao Planalto. Saiu de lá sem um vice formalizado e ainda sonhando em conseguir mais alguns segundos de TV para ir além do “meu nome é Jair”.

Leia mais:PT e Alckmin podem duelar, mas sem debater combate à corrupção

O peso da TV nas campanhas de Bolsonaro, Alckmin e do PT

A campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) deve aparecer 80 vezes por semana na programação de cada emissora de TV a partir do fim de agosto. O PT exibirá 27 inserções, e Jair Bolsonaro (PSL) terá direito a apenas três filmetes a cada sete dias.

A corrida presidencial colocará à prova o peso da propaganda na televisão. Alckmin vai decolar nas pesquisas com seu latifúndio na TV? Limitado à internet, Bolsonaro conseguirá sustentar e ampliar seu eleitorado? O candidato de Lula se tornará conhecido até o dia da votação?

Leia mais:O peso da TV nas campanhas de Bolsonaro, Alckmin e do PT

Compartilhe