Busque abaixo o que você precisa!

Presidente da Câmara quer mais recursos para segurança pública

Na 2ª reunião do Observatório Legislativo da Intervenção Federal na Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro (Olerj), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defendeu que, além de acompanhar e fiscalizar os atos do interventor no estado, é preciso garantir mais recursos para segurança pública. O presidente participou do evento na cidade de Barra Mansa, no interior do Rio de Janeiro.

"Acho que ele deve organizar para que possamos ter um efetivo maior nas ruas, não apenas do que a gente tinha das Forças Armadas, mas em que condições ele e a polícia militar, a polícia civil e todo os órgãos de segurança possam voltar com melhores condições nas ruas. O custeio para suporte na polícia (no Rio) é muito pequeno e sem preocupação do governo federal em alocar recursos, principalmente no estado que vive uma crise financeira grande, vai ser difícil avançar."

Para isso ser possível, no entanto, segundo Maia, é necessário reorganizar as despesas obrigatórias da União e discutir os gastos públicos.

"Tenho dito há muito tempo, ou a gente vai organizar as despesas da União, 100% são despesas obrigatórias, não tem nenhuma parte gasto discricionário. Ou a gente discute essas despesas do estado, da burocracia que não serve à sociedade, em todas as reuniões (se amanhã for uma reunião com governadores para tratar de educação, os problemas não serão diferentes). Enquanto a gente não tiver coragem de falar à União - e aos estados, principalmente, que têm uma estrutura de servidores, de equipamentos que não atendem à sociedade - que a gente tem que reduzir, para discutir recurso de segurança."

Segundo o presidente da Câmara, além de uma ação de inteligência para reprimir o tráfico, é importante que se reestruturem as condições de trabalho da polícia. Rodrigo Maia destacou ainda que é importante discutir soluções para que a juventude não entre no tráfico de drogas, como por exemplo, buscar saídas para evasão escolar.

Reportagem - Luiz Gustavo Xavier / AGÊNCIA CÂMARA

Compartilhe