Busque abaixo o que você precisa!

Autoridades debatem impactos da violência na produtividade econômica

Autoridades debatem impactos da violência na produtividade econômicafoto : Máximo Moura

O fórum "Segurança Pública e Atividade Econômica: como promover crescimento econômico em contexto de violência?", realizado na manhã desta quarta-feira (06/06), na Assembleia Legislativa, como parte da programação do Seminário Internacional sobre Segurança Pública, debateu os efeitos provocados pela insegurança pública na cadeia produtiva do País.

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Ceará (ABIH/CE), Eliseu Barros, o turismo requer sempre uma agenda positiva, e um fator limitante, relevante e incisivo na escolha de um destino turístico é o que ele considera como “medo social”, caracterizado por afetar a coletividade.

“A violência nas cidades impõe às pessoas uma sensação de medo e influencia no turismo, pois ele é uma atividade sujeita a externalidades, sejam elas positivas ou negativas, levando-nos a acreditar que a diminuição da violência é um relevante fator para a ampliação do fluxo turístico”, avaliou Eliseu Barros. Ele salientou que o segmento turístico é frágil e sensível a qualquer acontecimento mundial, seja ele econômico, político ou ligado à violência.

“Um exemplo recente que ilustra isso foi o caso de matéria veiculada pelo programa Fantástico, da Rede Globo, sobre a queima de ônibus em Fortaleza. Na manhã seguinte, dados fornecidos pela operadora turística CVC registravam redução de 30% nas viagens que tinham como destino o Ceará”, apontou o presidente da ABIH/CE. "O modelo de segurança pública no Estado não tem funcionado, e a solução é investir em educação e geração de emprego", reforçou Eliseu.

Já o assessor jurídico do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística do Estado do Ceará (SETCARCE), Marcos Vinícius Viana, abordou os problemas de segurança pública que afetam o transporte de cargas. Segundo ele, atualmente, os dois principais problemas que atingem o setor são roubo ou furto de veículos, componentes e peças, além dos acidentes.

“Temos relatos de roubos comunicados antecipadamente, em que os ladrões comunicam a empresa dizendo que no dia seguinte vão parar tal caminhão em tal rodovia, roubar os pneus e combustível, e instruindo a não fazerem nada. Isso acontece por insuficiência de policiamento e fiscalização nas estradas, o que deixa claro os problemas da segurança pública”, assinalou Marcos Vinícius. Ainda segundo ele, a precariedade das vias facilita o roubo, sendo fator importante na incidência de violência nas estradas.

Também participaram do debate o presidente da Associação Comercial do Ceará (ACC), João Porto Guimarães; o superintendente técnico do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus), Francisco Pessoa de Araújo Neto, entre outras autoridades.

Iniciado na noite desta terça-feira (05/06), com a conferência “Pacto Federativo e Segurança Pública no Brasil”, realizada pelo ex-ministro da Integração Nacional Ciro Gomes, o Seminário Internacional sobre Segurança Pública segue até sexta-feira (08/06), no anexo II da Assembleia Legislativa.

RG/LF

Compartilhe