Busque abaixo o que você precisa!

Deputado berra nos corredores do Planalto após nomeação de aliado não ser confirmada

BRASÍLIA — A demora do presidente Michel Temer em nomear o novo secretário de Governo está aumentando o nível de estresse entre os parlamentares da base aliada. Nesta quarta-feira, um deputado do Rio, Francisco Floriano (DEM-RJ), esteve em Brasília, no meio do recesso, para exigir a nomeação de um aliado na estrutura federal. Ao chegar ao Palácio do Planalto e não obter confirmação ao seu pleito, seus berros de reclamação, dizendo que não era "moleque", ecoaram nos corredores do quarto andar:

 

— Se a Secretaria não resolve, então a Casa Civil vai ter que resolver. Se eu não for recebido ainda hoje, vou chutar a porta dos gabinetes! — gritou o deputado com funcionários.

O cargo almejado por Floriano era para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Auxiliares do Palácio do Planalto contam que há mais de dois meses Floriano tentava emplacar um apadrinhado no cargo, mas que, desde que Geddel Vieira Lima deixou o comando da pasta, em novembro do ano passado, a negociação ficou paralisada.

Na parte da tarde, o deputado foi recebido por assessores da Casa Civil, de quem recebeu a garantia de que a indicação de seu nomeado sairá em breve. Ao sair da Casa Civil, Floriano minimizou o episódio:

— O pessoal da Secretaria de Governo está sobrecarregado sem o ministro, mas está tudo bem, tudo andando. Não pode é ficar um petista num cargo importante, isso não é certo — disse.

Além de aliado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Floriano é representante, no Congresso, do pastor Valdemiro Santiago, que sofreu um atentado há alguns dias com facadas na Igreja Mundial do poder de Deus. Segundo relatos, Floriano saiu do encontro com assessores distribuindo bênçãos. O GLOBO




Compartilhar Conteúdo