Busque abaixo o que você precisa!

Governo decide não excluir inadimplentes do Simples Nacional em 2020. Medida também vale para MEIs

BRASÍLIA — O governo decidiu não excluir as micro e pequenas empresas inadimplentes com o Simples Nacional do regime especial em 2020. A medida também vale para Microempreendedor Individual (MEI).

A decisão atende a um pedido do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e é uma forma de ajudar os pequenos negócios afetados pela pandemia de Covid-19.

A informação foi antecipada pelo jornal Valor Econômico, nesta segunda-feira, e confirmada pelo GLOBO.

Viu isso? Conheça histórias de sucesso de brasileiras que decidiram empreender para viver em Portugal

Em 2019, mais de 730 mil empresas foram notificadas para exclusão do Simples por débitos tributários. Desse total, cerca de 224 mil quitaram os débitos e 506 mil empresas acabaram excluídas do regime.

No início de abril, o Comitê Gestor do Simples Nacional permitiu que as empresas optantes pelo Simples deixassem de recolher os tributos referentes aos meses de março, abril e maio. A parcela devida a estados e municípios deveria ser paga em julho, agosto e setembro. Já a parte que cabe à União será quitada em outubro, novembro e dezembro.

Brasil tem mais um unicórnio:Veja quais são as start-ups nacionais que superaram a marca de US$ 1 bilhão

O governo está avaliando a capacidade de pagamento das empresas inscritas no Simples, de acordo com fontes do governo. A avaliação até agora é que essas empresas estão conseguindo pagar os débitos com o Fisco.

Só depois dessa análise é que o Ministério da Economia vai decidir se apoia um projeto em tramitação na Câmara prevendo um novo adiamento desses débitos. Por esse texto, o valor da dívida seria recolhido até 31 de janeiro de 2021, ou parcelado em prestações equivalentes a 0,3% da receita bruta verificada no mês anterior. O GLOBO

Compartilhar Conteúdo