Busque abaixo o que você precisa!

Mandetta muda discurso e critica quarentena; Mourão defende isolamento

André Borges, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2020 | 18h12
Atualizado 25 de março de 2020 | 19h12

BRASÍLIA – O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandettaajustou o discurso e, alinhado com o presidente Jair Bolsonaro, criticou as decisões de Estados do País quanto à adoção de quarentena para evitar a propagação do novo coronavírus

“Temos que melhorar esse negócio de quarentena, não ficou bom”, disse Mandetta, durante a divulgação do número de 57 mortos e 2.433 casos confirmados da covid-19 no Brasil. “A última quarentena foi em 1917. É normal, faz parte dessa situação, nós errarmos, calibrarmos e fazermos projeções um pouco fora e questionáveis por A, B ou C. A quarentena é um remédio extremamente amargo e duro.”

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta Foto: Wilton Junior/Estadão

Já o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, foi na contramão do que defendeu Mandetta nesta quarta-feira e da declaração presidente Jair Bolsonaro, que, em pronunciamento em rede nacional de TV, pediu o fim do confinamento em massa e a reabertura de comércios e escolas. Mourão disse que a orientação do governo para combater a pandemia da covid-19 continua sendo isolamento e distanciamento entre as pessoas. “A posição do nosso governo, por enquanto, é uma só. A posição do governo é o isolamento e o distanciamento social”, disse Mourão, que ponderou que a orientação para isolamento está sendo discutida.

Mandetta, que muitos achavam que até poderia deixar o cargo por causa da pressão de Bolsonaro pelo retorno das pessoas às ruas, procurou dizer que sua preocupação é com a saúde e a vida das pessoas e que as quarentenas impostas pelos Estados têm prejudicado, inclusive, o trabalho médico. Ele não deixou de ressaltar, porém, os problemas econômicos que a situação pode gerar e chegou a citar, inclusive, que se reabram templos e igrejas para as pessoas rezarem.

“Que fiquem abertas, só não se aglomerem. Fé é elemento de melhora na alma, no espírito”, disse. Embora tenha criticado as quarentenas, Mandetta voltou a pedir para que as pessoas evitem contato. “Evite o contato com outras pessoas, mantenha a higiene das mãos, proteja as pessoas de mais idade, evite o contato íntimo, o beijo”, disse. “A distância social deve ser observada. Isso tudo ajuda para ter equilíbrio para atravessar esse momento de muito estresse para as pessoas.”

Segundo o ministro, uma “quarentena sem prazo para terminar vira uma parede na frente da vida das pessoas” e as decisões têm que envolver outros assuntos do governo e da própria área de saúde. “A saúde não é uma ilha, não vamos tratar isoladamente, não existe só coronavírus. Eu tenho recebido médico que está fechando consultório de pediatria, clínicas de ultrassonografia. A vida continua. Outras doenças acontecem, as pessoas têm necessidades. As coisas continuam. Os arquitetos têm de trabalhar, as pessoas...”

Mandetta disse ainda que governadores devem se reposicionar. “Foi precipitado, foi cedo. As pessoas têm de saber se vamos fazer sacrifício de uma semana, vamos. Assim a gente vai junto”, comentou. O ministro, no entanto, não mencionou quais seriam os Estados e municípios que teriam, em sua avaliação, “extrapolado” na dose das quarentenas, mas disse que é preciso revisar as decisões, que podem ser graduais. “Existe possibilidade de trabalhar por bairro, por transporte, por exemplo. Nós saímos, já no início dos casos, para um efeito cascata de quarentena em todo o País”, comentou. "Isso causa transtornos em nosso sistema de saúde."

Sobre a sua permanência no cargo, disse que fica. “Nesse momento de crise, vou trabalhar ao máximo, a equipe está empenhada, vamos trabalhar com critério técnico”, afirmou o ministro. “Na hora que acharem que eu não devo trabalhar, que o presidente achar, ou se eu estiver doente, ou quando eu achar que esse período todo tenha passado e eu possa não ser mais útil...”

Número de casos e mortes começou a subir, diz Mandetta

Se por um lado Mandetta criticou as ações de quarentena dos Estados, por outro reconheceu que o Brasil começou a subir seu número de casos e mortes. “Estamos só no início, temos só 30 dias do primeiro caso. Estamos iniciando a subida, que leva algumas semanas. Temos nossas projeções e vamos ver se elas vão bater”, disse. 

O ministro também questionou os dados informados pela China sobre contaminações e mortes pela covid-19. “Isso deve ter acontecido na China, num número astronômico, que por algum motivo ficou embaixo do tapete. É isso que leva a Índia a fazer quarentena de 1,3 bilhão de pessoas.” / COLABOROU DANIEL WETERMAN 

Compartilhar Conteúdo