Busque abaixo o que você precisa!

Heitor Férrer afirma que Cartão Mais Infância não significará melhoria

Dep. Heitor Ferrer ( PSB )Dep. Heitor Ferrer ( PSB )foto: Maximo Moura

 
O deputado Heitor Férrer (PSB) afirmou, no primeiro expediente da sessão plenária desta terça-feira (12/12), que o novo programa do Governo Camilo Santana, o Cartão Mais Infância, não significará a melhoria da qualidade de vida dos cearenses.

Lançado na última segunda-feira (11/12), o programa tem como objetivo beneficiar 58 mil famílias, com crianças de zero a cinco anos, que se encontram em situação de extrema vulnerabilidade social, com auxílio mensal de R$ 85 mensais.

Para o parlamentar, o programa não adiantará, enquanto outras áreas do Governo estejam passando por dificuldades, como a saúde pública, saneamento básico e segurança. “Não estou me contrapondo a isso. O que Camilo não pode é achar que com esse valor vai resolver o problema da miséria e da violência do nosso Estado. Ele precisa criar bolsa, mas não adianta se não oferecer a atenção básica à população”, ponderou.

Heitor Férrer lembrou de algumas promessas de campanha do governador Camilo Santana, afirmando que este teria vendido o que não poderia entregar. Segundo ele, foram prometidos dois hospitais regionais, ampliação do Programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal, e ainda a substituição de casas de taipa por alvenaria.

O deputado citou dados presentes na peça orçamentária, comparando os investimentos do Governo Cid Gomes e Camilo Santana em habitação. “Cid deixou aplicado em 2014 R$ 164 milhões, enquanto Camilo em 2015 aplicou R$ 62 milhões e, em 2016, R$ 24 milhões. É um Governo de promessas mentirosas. Estamos no penúltimo ano de Governo e ele deixará cinco mil cruzes de cearenses assassinados”, lamentou.

Em aparte, o deputado Odilon Aguiar (PMB) disse que o Governo atual vem mascarando os problemas, apesar de a oposição mostrar as mazelas existentes. “Só vemos ineficiência e falta de conclusão das obras. O povo precisa de dignidade, e R$ 85 por mês não solucionarão os problemas”, opinou.

LA/AT

Compartilhe