Busque abaixo o que você precisa!

‘Deixem a cela arrumada que vem mais um hóspede’, disse Cavendish

Dono da construtora Delta, o empresário Fernando Cavendish ganhou notoriedade por duas razões. A primeira, sua fantástica capacidade de angariar contratos públicos. Entre 2007 e 2012 foram quase 11 bilhões, que representaram mais de 96% do faturamento de sua empresa no período. A outra, pelo estreito relacionamento com o então governador do Rio de Janeiro, Sergio Cabral. Passeios de helicóptero, jantares caros em restaurantes da Europa, festas com guardanapos na cabeça e presentes milionários marcaram essa promíscua simbiose entre o público e o privado. Mas acabou-se o que era doce. Em julho passado, o empreiteiro foi preso pela Polícia Federal na Operação Saqueador. Seu destino: Bangu 8.

Enquanto os Jogos Olímpicos incendiavam a cidade, Cavendish ocupou a cela na galeria C da Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó, zona oeste do Rio de Janeiro. Passava os dias pensativo e, entre uma conversa e outra com parentes e advogados nos dias de visita, bateu o martelo de que aceitaria o acordo de delação premiada. Na tarde de 17 de agosto, ao empacotar suas coisas e deixar a cela C6, virou-se para um dos agentes penitenciários e avisou: “Deixem a cela arrumada que vem mais um hóspede grande”.

Leia também
Todas as grandes obras do governo Cabral são suspeitas, diz MPF
Diploma suspeito pode tirar privilégios de Garotinho
Sérgio Cabral: conheça a nova casa do ex-governador-presidiário

Não era um blefe. O bilionário empreiteiro que havia acabado de conquistar na Justiça o direito à prisão domiciliar estava decidido a não apodrecer na cadeia de Bangu. Até então, as provas reunidas pelos procuradores do Ministério Público Federal contra ele indicavam uma lavagem de dinheiro de cerca de 370 milhões através de 18 empresas de fachada criadas para praticar crimes. Cavendish precisaria, então, acenar com algo muito maior. E Sergio Cabral se tornaria um alvo natural.

No acordo que vem negociando, Cavendish apresentou algumas provas contundentes. E uma delas constrangeu o ex-governador fluminense de tal maneira que ele não se viu na condição de negar a versão do ex-amigo. A história foi revelada pelo jornal O Globo, no mês passado. Em uma das nababescas viagens em parceria que fizeram à Europa, em 2009, Cabral levou Cavendish para um passeio certa manhã. Na porta de uma das joalherias mais caras do mundo, a Van Cleef & Arpels, entrou para buscar o anel de aniversário que havia encomendado para a mulher, Adriana Ancelmo. E deu a conta para o empreiteiro pagar: 220 000 euros (mais de 800 000 reais).

Como o empreiteiro disponibilizou a fatura do cartão aos investigadores, não havia como Cabral negar. Em nota, ele disse apenas que se tratava de um presente do amigo e que jamais tomou conhecimento do valor. A entrega do anel aconteceu no restaurante Le Louis XV, do chef Alan Ducasse, no Hotel de France, em Mônaco, na noite de 17 de julho de 2009. “Posteriormente, quando foram divulgadas as denúncias contra Cavendish envolvendo Carlos Cachoeira, o Estado acompanhou o Governo Federal na decretação da inidoneidade da Delta, motivo pelo qual o casal praticou o gesto de devolver o presente”, dizia o ex-governador no texto divulgado por sua assessoria.

A devolução do anel foi feita por um amigo em comum dos casais, o empresário Paulo Fernando Magalhães Pinto Gonçalves, um assessor especial de Cabral que, agora, na Operação Calicute, também foi preso e mandado para Bangu 8, onde divide a cela C6 com o governador. Dono de pelo menos dez empresas, era Paulo Fernando Magalhães Pinto quem pagava o aluguel da sede no Leblon da empresa Objetiva, criada por Cabral em 2014 para dar consultoria e por onde, segundo os investigadores, o dinheiro acumulado de propinas vinha sendo lavado.

O anel, no entanto, não foi a única prova que Cavendish entregou contra Cabral até aqui. Ele contou ainda na proposta de delação ter dado uma picape Ford Ranger 2007 (placa KXG 0628), de presente ao ex-governador. O veículo foi registrado em nome de…Paulo Fernando Magalhães Pinto, o mesmo que tinha em seu nome um helicóptero e uma lancha de 5 milhões que os procuradores acreditam ser de Cabral.

Cavendish prometeu entregar mais gente. Na edição desta semana que chega às bancas, VEJA revela que a lâmina do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro é uma das obras da Delta que o dono da empresa vai detalhar. Houve propina ainda nas reformas do Rio Turvo e do Parque Aquático Maria Lenk, na Barra da Tijuca, contrato feito sem licitação. Além de Cabral, estão na mira de Cavendish outros políticos do PMDB e do PSDB no Rio, São Paulo e Goiás.

Dia 17 de novembro de 2016, exatos três meses depois de o profético Cavendish deixar a cela C6, o ex-amigo Cabral entrou sem saber ao certo quanto tempo passará lá dentro. Vai depender muito do que O empreiteiro vai contar à Justiça. VEJA

Compartilhar Conteúdo