Busque abaixo o que você precisa!

Ximenes: Ceará não tem seca, ele fica seco

Na semana passada, desabou sobre a geografia do Município de Pedra Branca, no sertão cearense, uma chuva equivalente a 172 milímetros. É o dobro da pluviometria que se registra, anualmente, em Israel. Nos anos anteriores de 2018 e 2019, as chuvas caídas sobre o Ceará tiveram, também, excelente índice pluviométrico, não tendo sido, porém, suficiente para a recarga dos seus grandes açudes. "O Ceará, onde chove muito, não tem seca; ele fica seco" - diz o engenheiro Fernando Ximenes, dono da empresa Gram Eollic, que trabalha com água e energia.

 

Ele afirma - sem meias palavras - que "existe (aqui) a indústria da seca, justificando as incompetências das gestões e trazendo riqueza para um pequeno clero". Ximenes não localiza nem identifica esse clero, mas, nas palestras que faz em auditórios universitários e empresariais, repete a crítica de que, no Ceará, a água da chuva que cai é mal aproveitada.

 

E cita como exemplo a cidade de Fortaleza que, por falta de uma política de represamento da água pluvial, manda para o mar, anualmente, os mais de mil milímetros que a natureza a presenteia ao longo da estação chuvosa. Mas não é só Fortaleza que desperdiça a água da chuva. Nas cidades do Litoral e do Cariri, onde também chove muito, as águas também se perdem por falta de uma gestão inteligente. Este é um tema apaixonante, máxime agora, quando está começando o que nós cearenses chamamos de inverno. COM DIARIONORDESTE

Compartilhar Conteúdo