Busque abaixo o que você precisa!

Covid-19: Brasil registra 12,7 mil casos e 39 mortes em 24 horas

O Ministério da Saúde divulgou hoje (23) novos números sobre a pandemia de covid-19 no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem, no acumulado, 30,8 milhões de casos confirmados da doença e 665,6 mil mortes registradas. Os pacientes recuperados até agora são 29,8 milhões (96,9% dos casos).

Nas últimas 24 horas, o ministério registrou mais 12,7 mil casos e 39 mortes pela doença.

O estado de São Paulo tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia (5,4 milhões) e mais óbitos pela doença (168,9 mil). Em seguida estão Minas Gerais (3,3 milhões de casos e 61,4 mil mortes); Paraná (2,5 milhões de casos e 43,2 mil óbitos) e Rio Grande do Sul (2,3 milhões de casos e 39,4 mil óbitos).

Boletim epidemiológico da covid-19
Boletim epidemiológico da covid-19 - 23/05/2022/Divulgação/ Ministério da Saúde

Vacinação

Conforme o vacinômetro do Ministério da Saúde, 431,4 milhões de doses de vacinas contra contra a covid-19 já foram aplicadas. A primeira dose foi aplicada em 176,7 milhões de pessoas, e a segunda, em 158,4 milhões de pessoas. Receberam a dose de reforço 84,3 milhões de pessoas e a segunda dose de reforço, 3,4 milhões. 

Edição: Nádia Franco / agência brasil

Alta do aço causa queda no setor de construção no 1º trimestre de 2022

O mercado imobiliário brasileiro apresentou queda de 42,5% no número de lançamentos no primeiro trimestre de 2022, na comparação com o quatro trimestre de 2021, informou hoje (23) a Câmara Brasileira da Indústria da Construção. O número de lançamentos também apresentou uma queda de 7,6% na oferta final de empreendimentos. Segundo a CBIC, o aumento no preço de insumos e a conjuntura econômica pesaram na redução.

O levantamento, que colheu informações do mercado da indústria da construção em 196 cidades de todas as regiões do país, também mostrou queda nos três primeiros meses do ano no número de lançamentos de unidades do programa Casa Verde e Amarela, em relação ao último trimestre  de 2021.

As unidades foram reduzidas em 40,4% e a oferta final em 11,1%. A CBIC disse que os números são afetados pelo aumento dos preços e dos custos dos materiais da construção civil, pela falta de confiança para novos lançamentos dos empresários e incorporadoras e pela queda do poder aquisitivo das famílias.

"O tempo todo falamos do efeito aumento de custo que impacta no preço de venda e isso está muito claro no Casa Verde e Amarela, que tem puxado nos últimos tempos a habitação de mercado", disse o presidente da CBIC José Carlos Martins durante coletiva para apresentação dos dados.

De acordo com Martins, o aço foi o material que mais impactou no aumento total do custo das obras. Ele citou o exemplo de construção de uma ponte, que teve alta nos custos do material utilizado de cerca de 73% no período de julho de 2020 a julho de 2021.

"Quando a gente analisa uma ponte, por exemplo, o aumento foi e 73% de custo por um único item que é o aço. No caso do Casa Verde e Amarela esse impacto foi de 34% em um único item", apontou.

Martins disse que a redução na alíquota de importação do insumo, juntamente com outros 10 produtos, anunciada pelo governo para conter a alta da inflação, diminuiu um pouco a pressão no aumento de custo. Entretanto, ainda há necessidade de debater a estabilização dos preços com a cadeia de produção.

Programa habitacional

No primeiro trimestre de 2022 foram lançadas 22.334 unidades do Casa Verde e Amarela, o que representou 42% do total de empreendimentos lançados. Já para os demais padrões, foram 30.738 unidades, 58% do total. Foram vendidas, no período, 36.827 unidades do Casa Verde e Amarela (50%), e 37.096 unidades dos demais padrões, o que mostra a demanda por unidades do programa.

A CBIC defende alterações no programa em pontos como: o aumento no valor do subsídio dado; regulamentação de um fundo garantidor, para que os empresários possam voltar a aumentar o número de empreendimentos e melhorias de concessão do crédito.

Petrucci disse ainda que o cenário mostra que empresários e incorporadoras não estão repassando os impactos do aumento de custo em empreendimentos com obras em andamento. "A gente percebe que o aumento de custos pegou mais forte e que os empresários administraram os impactos do aumento de custo dos empreendimentos com obras em andamento. Porém, para os novos lançamentos, é inevitável esse repasse no preço de venda", disse.

Lançamentos

O comparativo das regiões nos lançamentos do Casa Verde e Amarela mostra o Norte com 85% de participação, o Nordeste com 51%, o Sudeste com 44%, o Sul com 32% e o Centro-oeste com 24%.

Em unidades vendidas, a região Sudeste lidera com 56%, seguido do Nordeste (52%), Norte (49%), Centro-oeste (40%) e Sul (36%). Já a participação da oferta final representa: Sudeste (46%), Nordeste (44%), Centro-oeste (31%), Norte (29%) e Sul (25%).

Já no mercado imobiliário como um todo, em relação ao 4º trimestre de 2021, o Sudeste foi a região que mais registrou queda nos lançamentos com 52%, seguida da Região Norte (51,2%), Sul (39,7%), Centro-oeste (8,2%) e Nordeste (7,1%). 

Já em comparação com o 1º trimestre de 2021, as regiões Centro-oeste e Sudeste registram alta de 11,4% e 7,5%, respectivamente. As demais apresentaram queda: Sul (27,9%), Norte (5,7%) e Nordeste (1,7%).

A CBIC disse que em relação às vendas, existiu uma tendência de crescimento desde o 1º trimestre de 2017, mas a partir do 2º semestre de 2021, começaram a estabilizar. Em relação ao 4º trimestre de 2021, o número de unidades residenciais vendidas subiu 2,2%.

Em comparação com o trimestre anterior, três regiões apresentaram alta: Centro-oeste (13,9%), Sul (13,4%) e Nordeste (8,6%). As outras regiões registraram queda: Sudeste (4,4%) e Norte (2,1%).

Oferta final

No que diz respeito à oferta final de unidades, em comparação com o 4º trimestre de 2021, todas as regiões brasileiras apresentaram queda: Sul (9,3%), Sudeste (7,3%), Nordeste (7,2%), Norte (7,1%) e Centro-Oeste (5,2%).

Edição: Pedro Ivo de Oliveira / AGÊNCIA BRASIL

UFRJ inaugura projeto de geração simultânea de eletricidade e água

A Coppe - Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia - da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inaugurou hoje (23) uma ilha de policogeração sustentável capaz de gerar simultaneamente eletricidade, água destilada e biodiesel. Segundo a professora e coordenadora do projeto, Carolina Naveira-Cotta, o sistema conjuga o uso de energia solar com a recuperação de calor.

“Temos painel solar que gera eletricidade e, ao gerar eletricidade, joga fora muito calor no ambiente. Esse calor é recuperado para a destilação de água. Por isso, permite gerar eletricidade simultaneamente à água destilada. Essa água é potável, pode ser usada para consumo humano ou ter algum uso industrial”, informou, em entrevista à Agência Brasil.

De acordo com a professora, o projeto pioneiro no país pode ser um importante aliado de prefeituras e comunidades remotas do semiárido nordestino que não estão conectadas ao Sistema Interligado Nacional, chamadas de off-grid. Ilhas, áreas em conflito ou de desastres ambientais também seriam atendidas.

“Pode ser aplicado em qualquer lugar que esteja remoto ou inóspito. Então, se pode pensar em uma ilha, uma plataforma, um navio, no semiárido do nordeste, para atender comunidades que dependam de energia e também de água”, revelou, completando com o exemplo de uma ilha também off-grid. “Não tem cabo chegando lá [na ilha], em vez de queimar diesel no gerador, coloca um painel, gera eletricidade e transforma água do mar em água potável”, comentou.

A professora informou que no semiárido nordestino há cerca de 4 mil comunidades identificadas com necessidade de água. Atualmente, revelou, o Programa Água Doce (PAD) do governo federal atende 900 comunidades com o sistema funcionando, o restante está a espera de ter energia ou água ou os dois simultaneamente.

Equipe envolvida na criação da Ilha de policogeração sustentável capaz de gerar eletricidade, água destilada, biocombustível e outros insumos na COPPE/UFRJ
Equipe envolvida na criação da Ilha de policogeração sustentável capaz de gerar eletricidade, água destilada, biocombustível e outros insumos na COPPE/UFRJ - Tomaz Silva/Agência Brasil

“Certamente, no Nordeste a gente tem uma área de aplicação imediata”, observou, destacando que o PAD faz dessalinização da água, mas necessita de eletricidade e, por isso, nem todas as comunidades identificadas puderam ser atendidas. “O nosso descentralizador pode ser complementar ao PAD.”

Segundo a Coppe, o protótipo é financiado pela Petrogal Brasil via Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e Embrapii-Coppe, e apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Marinha do Brasil.

O projeto desenvolvido no Laboratório de Nano e Microfluidica e Microssistemas (LabMEMS) da UFRJ vai completar em junho dois dos três anos definidos no contrato. O protótipo foi montado há cerca de um ano. Chefiado pela professora, contou com a participação de 15 pesquisadores.

Investimentos

A coordenadora afirmou que projetos do tipo passam por uma escala que vai se 1 a 9, criada pela Nasa para indicar o amadurecimento tecnológico de um produto. Na escala, o máximo representa que pode ser comercializado. O projeto apresentado hoje está em TRL (Technology Readiness Level) 6, correspondente a demonstrador em ambiente relevante. Para o projeto subir de nível depende de investimentos do governo federal ou de empresas do setor privado interessadas na sua aplicação.

Ilha de policogeração sustentável capaz de gerar eletricidade, água destilada, biocombustível e outros insumos é inaugarada COPPE/UFRJ
Ilha de policogeração sustentável capaz de gerar eletricidade, água destilada, biocombustível e outros insumos é inaugarada COPPE/UFRJ - Tomaz Silva/Agência Brasil

“O governo federal ou alguma empresa que tenha interesse em trabalhar conjuntamente para replicarmos ou levar esse demonstrador daqui para um lugar operacional, ou seja, interior do Nordeste, por exemplo. Ele está pronto e demonstrado para ganhar escala, mas, para isso, precisamos de colaborações ou do governo federal ou de indústrias”, relatou, afirmando ter esperança de que a Petrogal Brasil tenha interesse em dar continuidade ao projeto.

“Eles poderiam ser a própria indústria, continuando a colaboração, mas hoje aqui, na inauguração, tivemos várias empresas e agências que poderiam também ter interesse e ajudar no próximo passo.”

Custos

Conforme a professora, é difícil falar em valores, uma vez que foi desenvolvido apenas um protótipo. Os custos, segundo ela, podem cair se ele for produzido em grande escala. “Os custos são similares a qualquer processo de dessalinização. Só que, aqui, a vantagem é que depois de instalado é muito mais barato, porque é autossuficiente. Gera eletricidade e, com o rejeito com o calor jogado fora, dessaliniza a água, então, os custos operacionais, a nossa expectativa é que sejam menores que em outros processos”, disse.

A pesquisadora Cristiane Mesquita demostra equipamento para criação da Ilha de policogeração sustentável capaz de gerar eletricidade, água destilada, biocombustível e outros insumos na COPPE/UFRJ
A pesquisadora Cristiane Mesquita demostra equipamentos  na COPPE/UFRJ - Tomaz Silva/Agência Brasil

O protótipo, inaugurado nesta segunda-feira, está montado em frente ao Centro de Tecnologia 2, Cidade Universitária da UFRJ, na Ilha do Fundão, zona norte do Rio.

A ilha de policogeração sustentável ocupa uma área de 200m², onde foram instalados um painel fotovoltaico de alta concentração, com capacidade de gerar cinco quilowatts de energia elétrica e oito quilowatts de energia térmica, recuperáveis, além de três conjuntos de coletores solares para aquecimento de água. A ilha é flexível e pode ser modificada para uso em outros locais e adaptada para cogeração de outros insumos, dependendo do objetivo e uso.

Edição: Maria Claudia / AGÊNCIA BRASIL

Brasil tem 12,6 mil novas infecções por covid-19 em 24h

O Brasil registrou 12.613 novos casos de covid-19 em 24 horas em todo o país. De acordo com as secretarias estaduais e municipais, foram confirmadas 99 mortes por complicações associadas à doença. Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgada neste domingo.

Com os novos dados, o total infecções pelo novo coronavírus durante a pandemia chegou a 30.791.220. O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 293.574.

Com os números de hoje, o total de mortes chegou a 665.627. Ainda há 3.212 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação sobre a causa, se foi covid-19, ou não, ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 29.832.019 pessoas se recuperaram da covid-19, o que corresponde a 96,9% dos infectados desde o início da pandemia.

De acordo com o boletim, o DF e sete estados não atualizaram os dados neste domingo: Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Roraima e Tocantins.

Boletim da covid-19 de 22 de maio de 2022
Divulgação/Ministério da Saúde

Fim da emergência

Neste domingo, chegou ao fim o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), decretado em função da pandemia de covid-19.

A portaria com a decisão foi assinada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em 22 de abril, e previa 30 dias para que estados e municípios se adequassem à nova realidade.

A decisão do governo brasileiro foi tomada com base do cenário epidemiológico mais arrefecido e o avanço da Campanha de Vacinação no país. Segundo o Ministério da Saúde, apesar da medida, nenhuma política pública de saúde será interrompida.

Edição: Kelly Oliveira / AGÊNCIA BRASIL

Covid-19: chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Chegou ao fim, neste domingo (22), o estado de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), decretado em função da pandemia de covid-19 no Brasil.

portaria com a decisão foi assinada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em 22 de abril, e previa prazo de 30 dias para que estados e municípios se adequassem à nova realidade.

A decisão do governo brasileiro foi tomada com base do cenário epidemiológico mais arrefecido e o avanço da Campanha de Vacinação no país. Segundo o Ministério da Saúde, apesar da medida, nenhuma política pública de saúde será interrompida.

“A pasta dará apoio a estados e municípios em relação à continuidade das ações que compõem o Plano de Contingência Nacional”, garantiu o governo.

Histórico

No último dia 12 de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) prorrogou, a pedido do Ministério da Saúde, o prazo de validade das autorizações para uso emergencial de vacinas contra covid-19, que deixariam de ser usadas na campanha de vacinação contra a doença com o fim do Epin. A medida vale também para medicamentos que só deveriam ser usados durante a crise sanitária. Segundo a decisão da Diretoria Colegiada da Anvisa, as autorizações permanecerão válidas por mais um ano.

No mesmo dia, a Anvisa alterou a resolução que permite a flexibilização das medidas sanitárias adotadas em aeroportos e aeronaves, em virtude do encerramento do estado de emergência. Entre as mudanças, estão a retomada do serviço de alimentação a bordo e permissão para retirada de máscaras para se alimentar, durante o voo.

Segundo o Ministério da Saúde, o governo federal empenhou quase R$ 34,3 bilhões para a compra de cerca de 650 milhões de imunizantes contra a covid-19.

“Por conta da vacinação, o Brasil registra queda de mais de 80% na média móvel de casos e óbitos pela covid-19, em comparação com o pico de casos originados pela variante Ômicron, no começo deste ano. Os critérios epidemiológicos, com parecer das áreas técnicas da pasta, indicam que o país não está mais em situação de emergência de saúde pública nacional”, ressaltou o Ministério em nota.

Edição: Denise Griesinger / AGÊNCIA BRASIL

Um cenário bom, por enquanto

O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2022 | 03h05

O anúncio da inflação de 9% no Reino Unido, a maior em 40 anos, é apenas o sinal mais recente dos problemas que a economia mundial enfrenta por causa da pandemia e, mais recentemente, da guerra na Ucrânia. No Brasil, a alta média anual dos preços já passa de 12%. Preços em alta afetam a renda de consumidores, exigem medidas restritivas das autoridades monetárias e, assim, ameaçam a recuperação da atividade econômica. É nesse cenário de desafios e riscos que, surpreendentemente, as contas públicas brasileiras mostram sinais de melhora e dão indicações de que continuarão a melhorar por algum tempo.

A arrecadação tributária mostra crescimento vigoroso, mudanças nas regras do teto de gastos assegurarão sua preservação nos próximos anos, o déficit público federal de 2022 será bem menor do que o estimado há alguns meses e a dívida bruta do governo central deve ficar abaixo de 80% do Produto Interno Bruto (PIB), bem menos do que se previa na fase crítica da pandemia. É o que mostra o Relatório de Acompanhamento Fiscal da Instituição Fiscal Independente (IFI), vinculada ao Senado Federal.

Pelo menos quanto a alguns importantes indicadores fiscais, o governo Bolsonaro não deverá deixar uma herança tão desastrosa quanto decerto deixará na educação, no meio ambiente, na política externa e na administração pública em geral.

No plano externo, algumas projeções pioraram. A inflação está sendo mais alta do que a projetada no fim do ano passado e a atividade econômica está perdendo aceleração. O Brasil vem contando com estímulos que têm impulsionado a economia, como a liberação de recursos do FGTS para aumentar a capacidade de consumo das famílias. Assim, as projeções para o crescimento do PIB neste ano passaram de cerca de 0,5% para 1%. É, ainda assim, um desempenho fraco, que retoma a tendência de baixo crescimento observada há anos. E a inflação, já alta, segue persistente.

A combinação de alguma melhora na atividade econômica e alta generalizada dos preços, que faz crescer as projeções do PIB nominal, vem propiciando crescimento acentuado da receita. A alta das commodities igualmente ajuda.

São todos, porém, fatores conjunturais. A alta da taxa básica de juros decidida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central destina-se a inibir a atividade econômica e esse efeito começará a ser sentido em algum momento. Os preços das commodities podem ter alcançado seu pico, o que deve conter o movimento de alta e até ser seguido de quedas. E a atividade econômica, revisada para cima em 2022, está sendo revista para baixo em 2023.

Além disso, benefícios tributários concedidos pelo governo Bolsonaro a alguns grupos de contribuintes implicarão perda permanente de receita, enquanto do lado das despesas alguns itens continuarão a crescer automaticamente em valores reais.

O cenário otimista observado hoje não terá vida longa, pois problemas antigos não foram resolvidos. Sem reformas profundas na estrutura de gastos, sua deterioração começará em dois ou três anos.

Bolsonaro irá a Caruaru para São João que vai censurar artistas, diz prefeito

Pedro Martins / FOLHA DE SP
RIBEIRÃO PRETO

O São João de Caruaru, que vai censurar manifestações políticas dos artistas contratados, deve receber a visita do presidente da República, Jair Bolsonaro.

O anúncio foi feito pelo prefeito de Caruaru, Rodrigo Pinheiro, do PSDB, em entrevista à Rádio Cultura do Nordeste. A conversa, que ocorreu na última sexta-feira (13), foi transmitida pelas páginas da emissora nas redes sociais.

Pinheiro afirmou que faria o convite oficial a Bolsonaro nesta semana, mas que a presença do presidente já havia sido confirmada.

"Verbalmente, a notícia que a gente tem é que o presidente Bolsonaro vai vir, sim. Coincidentemente ou não, vai ser no dia que a Brucelose, a banda do ex-ministro Gilson Machato Neto, vai tocar. Tenho certeza que ele vem. Ele vinha para a Paixão de Cristo, não conseguiu vir, mas seus apoiadores estão esperando a visita em Pernambuco."

Machado Neto, que já foi ministro de Turismo de Bolsonaro, está sendo cogitado por aliados do presidente para o cargo de vice.

O governo federal informou à reportagem que a agenda de compromissos do presidente para junho ainda não está disponível.

A Prefeitura de Caruaru, cidade a 136 quilômetros do Recife, afirmou no edital de contratação de seus artistas que qualquer atração "que expresse conteúdo político de qualquer natureza" não seria contratada.

O edital afirma que o descumprimento da cláusula pode levar à rejeição da prestação de contas e, por consequência, à suspensão do cachê da apresentação.

Além dos artistas locais, boa parte deles inscritos por meio do edital, devem se apresentar na festa Luan Santana, Mari Fernandez, Felipe Amorim, Dorgival Dantas e Bell Marques.

O evento começa em 4 de junho e vai até 2 de julho. As apresentações principais serão divididas em matinês nos dias 11, 23, 24, 25 e 26.

A proibição surge cerca de um mês e meio após Pabllo Vittar ter mostrado uma toalha com o rosto do ex-presidente Lula e feito um sinal de "L" com a mão no palco do Lollapalooza, festival de música que ocorreu no último fim de semana de março em São Paulo.

A equipe do presidente Jair Bolsonaro questionou a organização do festival. Seu partido, o PL, acionou o TSE por suposta propaganda eleitoral irregular no evento, alegando que a legislação só permite campanha política a partir de 16 de agosto.

O tribunal acatou parcialmente o pedido e determinou multa de R$ 50 mil para o festival se houvesse outras manifestações a favor ou contra qualquer candidato ou partido no Lollapalooza. A produtora do evento, T4F, entrou com recurso e manteve a liberdade de expressão dos artistas.

Governo repassa R$ 7,7 bilhões do pré-sal para estados e municípios

O governo federal, por meio do Banco do Brasil, vai repassar R$ 7,7 bilhões para todos os estados, para o Distrito Federal e 5.569 municípios do valor relativo à arrecadação dos bônus de assinatura do leilão dos excedentes para exploração de petróleo e gás natural da cessão onerosa dos campos de Sépia e Atapu, no pré-Sal, de acordo com informações do Ministério de Minas e Energia.

O valor será pago desta sexta-feira (20) até a próxima terça-feira (24).

O leilão foi realizado pela Agência Nacional de Pétróleo (ANP) em dezembro de 2021 e rendeu bônus de assinatura total de R$ 11,1 bilhões. Segundo o ministério, os investimentos previstos são de R$ 204 bilhões. 

Desde 2019, oito leilões de petróleo e gás natural garantiram investimentos de R$ 800 bilhões, com expectativa de criação de mais de 500 mil empregos.

Edição: Maria Claudia / AGÊNCIA  BRASIL

Bolsonaro chama Elon Musk de ‘mito da liberdade’ e diz que compra do Twitter é ‘sopro de esperança’

Por José Maria Tomazela, Eduardo Gayer e Circe Bonatelli / O ESTADÃO

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta sexta-feira, 20, que a compra do Twitter pelo bilionário Elon Musk é um “sopro de esperança” e chamou o empresário de “mito da liberdade”. Os dois se reuniram no evento “Conecta Amazônia”, organizado pelo Ministério das Comunicações, no Hotel Fasano Boa Vista, na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo.
 
Fundador da SpaceX, Musk anunciou a compra da rede social em abril por US$ 44 bilhões, mas neste mês pediu garantias do Twitter para prosseguir com aquisição da plataforma. Em janeiro, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deu aval ao pedido da Starlink, empresa de Musk, para operar satélites de órbita baixa no Brasil. Após o encontro, Bolsonaro disse, em entrevista coletiva, que a visita foi de cortesia e não de negócios.
 
“O mais importante da presença dele é algo que é imaterial. Hoje em dia, poderíamos chamá-lo de mito da liberdade. O exemplo que nos deu, há poucos dias, quando anunciou a compra do Twitter, para nós aqui foi como um sopro de esperança”, disse o presidente, antes da entrevista coletiva.
 
Bolsonaro tem criticado as políticas de combate às fake news e a discursos de ódio nas redes sociais. Para ele, trata-se de uma violação às liberdades de expressão.
“Ele (Musk) é a favor da liberdade total de expressão. Criticar Executivo, Legislativo e Judiciário não tem problema nenhum”, disse o presidente, acrescentando ser contra qualquer tipo de restrição a manifestações desse cunho no Twitter. “O que nós queremos, e parece a opinião dele, é a liberdade total de expressão.” O presidente ponderou, entretanto, que o futuro do Twitter não fez parte das discussões do dia com Elon Musk.
Bolsonaro e o ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmaram que a visita de Musk ao Brasil serviu para discutirem sobre uma potencial parceria entre as partes para monitoramento da Amazônia e para levar internet a escolas públicas em regiões remotas. “O que mais nos chamou a atenção foi sua preocupação com a Amazônia de verdade”, declarou o presidente. “Tanto é que quando você comprou o Twitter muita gente aqui no Brasil foi como se fosse um grito de independência. Nosso governo trabalhará para encarnar o seu espírito, da importância da liberdade de todos nós.”
 
O presidente disse que a cobertura da região norte com satélites da empresa de Musk, a Starlink, será um marco para o País – ainda que não haja um acordo formal, nem data para isso acontecer. “Levar internet para toda a região da Amazônia é algo muito importante. Vamos mostrar para o mundo a verdade sobre a Amazônia”, afirmou ele durante entrevista coletiva.
 
 

Covid-19: em 24 horas, Brasil teve 10,4 mil casos e 114 mortes

O Ministério da Saúde divulgou hoje (19) novos números sobre a pandemia de covid-19 no país. Segundo o levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem, no acumulado, 30,7 milhões de casos confirmados da doença e 665,4 mil mortes registradas. Os casos de pacientes recuperados somam 29,7 milhões (96,9% dos casos).

Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 10,4 mil novos casos e 114 mortes.

O estado de São Paulo tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia, com 5,4 milhões de casos e 168,8 mil óbitos.

Em seguida, aparecem os estados de Minas Gerais (3,3 milhões de casos e 61,4 mil óbitos); do Paraná (2,5 milhões de casos e 43,2 mil óbitos) e do Rio Grande do Sul (2,3 milhões de casos e 39,4 mil óbitos).

Boletim Epidemiológico
Boletim Epidemiológico - 19/05/2022/Divulgação/ Ministério da Saúde

Vacinação

Conforme o vacinômetro do Ministério da Saúde, 429 milhões de doses de vacinas contra contra a covid-19 já foram aplicadas no país.

Receberam a primeira dose da vacina 176,5 milhões de pessoas. A segunda dose já foi aplicada em 158 milhões e 82,9 milhões tomaram a dose de reforço. A segunda de reforço foi aplicada em 3 milhões de pessoas. 

Edição: Nádia Franco / AGÊNCIA BRASIL

Compartilhar Conteúdo